Prejuízo cinco vezes maior

Resultados da divisão comercial derruba valor da Embraer

Embraer apresentou prejuízo líquido de R$ 314,4 milhões no terceiro trimestre


Unidade de aviação comercial da Embraer sofreu maior impacto nos resultados no terceiro trimestre de 2019

A Embraer divulgou seu balanço trimestral apontando prejuízo líquido de R$ 314,4 milhões, com ênfase em problemas na divisão comercial, negociada recentemente com a Boeing através de um acordo de joint venture. O valor é cinco vezes superior ao número apresentado no mesmo período de 2018.

Apesar de registrar um maior número de entregas no período em relação a 2018, com 17 aviões comerciais, 27 executivos, ante 15 aeronaves comerciais e 24 executivas, no mesmo trimestre anterior, as receitas se mantiveram estáveis, com alta de 2%, atingindo R$ 4,69 bilhões.

LEIA TAMBÉM

Segundo relatório do banco Bradesco, a margem operacional da divisão comercial foi negativa em 11,5% parcialmente pelos descontos nas vendas do Embraer 175, utilizado para atrair novos clientes para o modelo.

Outro entrave que impacto na área comercial foi o atraso para conclusão do acordo com a Boeing, que mesmo autorizado pelo governo brasileiro em janeiro, ainda não teve uma definição por parte das autoridades da União Europeia. Inclusive, os europeus suspenderam a análise antitruste da joint venture, sob alegação que não recebeu informações suficientes das duas fabricantes.

As dificuldades na divisão comercial afetaram o valor da Embraer, com os papeis sofrendo baixa de 5,34% ao longo do dia, após a divulgação dos resultados. A fabricante brasileira ainda teve um custo de separação de sua unidade comercial dos demais negócios, avaliado em R$ 253,3 milhões.

Os resultados negativos ainda devem impactar o pagamento de dividendos para os acionistas após a criação da joint venture, passando para US$ 1,3 bilhão e US$ 1,6 bilhão, ante a previsão anterior de US$ 1,6 bilhão.

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Por Edmundo Ubiratan | Imagem: Divulgação

Publicado em 13 de Novembro de 2019 às 00:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Embraer Boeing E175 Boeing Brasil Commercial joint venture