Em boa hora

Após problema elétrico o 737 MAX volta a voar sem restrições

Em todo o mundo mais de 100 aviões estavam proibidos de voar desde abril


Boeing 737 MAX da Alaska Airlines

Mais de sessenta aviões haviam sido proibidos de voar apenas nos Estados Unidos

A administração federal de aviação dos estados unidos (FAA, na sigla em inglês) autorizou a Boeing a liberar a operação de aproximadamente cem 737 MAX que estavam parados desde o início de abril, por conta de um problema no aterramento elétrico.

O boletim de serviço pode ser realizado pelas empresas aéreas que tinham unidades do avião com a falha, sem exigir um extenso trabalho de manutenção. O próprio diretor da FAA, Steve Dickson afirmou ao Congresso norte-americano que o problema elétrico seria solucionado de maneira simples.

Basicamente a falha é relacionada ao fio de aterramento fora das especificações corretas, sendo necessário apenas sua substituição por uma dentro das normas exigidas pelo projeto.

As companhias aéreas dos Estados Unidos foram as mais afetadas pela paralisação parcial, visto que mais de sessenta aeronaves da American Airlines, Southwest Airlines e United Airlines foram retiradas de serviço desde a detecção do problema.

Com a correção da falha e a liberação por parte da FAA, os aviões estarão prontos para reforçar a malha antes da esperada alta na demanda de verão no hemisfério norte, que começa no fim de maio.

O problema elétrico havia sido identificado no início de abril, em uma unidade de controle de energia de backup no cockpit de alguns aviões recém-construídos. Posteriormente, foi também encontrado em dois outros sistemas, incluindo o rack de armazenamento onde a unidade de controle é mantida e o painel de instrumentos dos pilotos.

Por Marcel Cardoso

Publicado em 17 de Maio de 2021 às 17:17


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação 737 Boeing 737 MAX United Airlines American Airlines Alaska Airlines Southwest