Bell X-1 G650 Citation Ten Endeavour

O bombardeiro B-29 Superfortress desacopla a aeronave pilotada pelo capitão Charles Elwood “Chuck” Yeager de seu compartimento de bombas e a lança no céu da Califórnia. É o voo de número 50 do avião experimental construído pela Bell Aircraft Corporation para a Força Aérea dos Estados Unidos. A data, 14 de outubro de 1947. Após a separação em voo, o piloto aciona os foguetes XLR-11 do Bell X-1, como ficou conhecido o endiabrado monoposto, e acelera até atingir a velocidade de Mach 1.06, o equivalente a praticamente 1.300 km/h. Sim, trata-se do primeiro voo supersônico da história.

A quebra da barreira do som, ocorrida há exatos 65 anos, é um dos capítulos cruciais da corrida pela construção da aeronave mais rápida do mundo. O feito abriu caminho para a chegada do homem à Lua – talvez até Marte, em breve – e a construção de máquinas como o Concorde. Mas, ainda hoje, os melhores físicos e matemáticos continuam quebrando a cabeça para desenvolver foguetes mais rápidos e econômicos e menos estrepitosos. Não por acaso os voos supersônicos continuam proibidos sobre áreas habitadas e os ônibus espaciais saem de cena, como acontece com o Endeavour, que está a caminho de um museu, acoplado a um Boeing 747 modificado.

A fórmula para realizar voos supersônicos sem gastar muito combustível continua secreta. O Boeing 747 ainda é o mais rápido na aviação regular, com um regime de Mach 0.85, só que ainda longe de quebrar a barreira do som, como acontecia com o Concorde, que seria hoje uma máquina inviável para qualquer companhia aérea. E é justamente esse arcabouço econômico que torna ainda mais excitante a briga pela supremacia no quesito velocidade entre dois gigantes da aviação executiva, ambos norte-americanos, a Cessna e a Gulfstream.

Os jatinhos privados, que têm a vantagem de serem leves e contar com potência de sobra, estão muito próximos da barreira do som. Dois projetos disputam o posto de mais rápido do mundo entre as aeronaves civis. De um lado o Cessana Citation Ten e, do outro, o Gulfstream G650. Aviões que nascem com a proposta de oferecer voos econômicos com velocidade superior à Mach 0.90. O G650 atingiu Mach 0.995 nos voos de teste, mas, atendendo às recomendações de segurança para turbulência e recuperação de atitudes anormais, estabelecidas pela FAA (Federal Aviation Administration), sai homologado com velocidade de cruzeiro de Mach 0.945. O Citation Ten não fica atrás e obteve homologação para voar com Mach 0.935, podendo chegar a Mach 0.95. Um grande feito para esses pequenos notáveis. Talvez uma homenagem ao ás Chuck Yeager, que alcançou o que só seria possível no sonho dos mais audazes aviadores na primeira metade do século 20.


Crônica

Artigo publicado nesta revista

Últimas Crônica

13-12-2012
08:46 Bandeiras no saguão de embarque
21-11-2012
15:39 Cadê minha mala?
03-10-2012
12:47 Velozes e furiosos
04-09-2012
12:53 Querosene nas veias
07-08-2012
07:22 Vento no rosto
11-07-2012
14:22 PT-TAC, o asas verdes
14-06-2012
12:49 Sem água em Caracas
22-05-2012
08:51 Memórias de um entusiasta
25-04-2012
09:14 Arvoredo na proa
23-03-2012
12:27 Saudades do vaicão
Mais Crônica »
NBAA 2016

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 O novo Beluga XL da Airbus toma forma Notícias
2 Guarulhos receberá voos regulares do maior avião do mundo Notícias
3 Jatos novos voarão na aviação comercial sul-coreana Notícias
4 Latam anuncia novo Customer Experience e Costumer Notícias
5 A volta bem-sucedida do foguete Dragon 9 Notícias
6 Morre último astronauta a pisar na Lua Notícias
7 Polônia poderá comprar 100 aviões de combate Notícias
8 Drone bate no cartão postal de Seattle Notícias
9 100 aeronaves que marcaram a virada do século 20 para o 21 Notícias
10 Boeing 747 da United aposentados antes do esperado Notícias