Bandeiras no saguão de embarque

O dia em que a torcida invadiu o mais movimentado aeroporto da América Latina

Vinícius Casagrande em 13 de Dezembro de 2012 às 08:46

São 15 mil fanáticos vestidos de preto e branco. Um bando de loucos, prontos para a invasão. Começa a escurecer em São Paulo e a multidão só aumenta. Uma legião a postos para tomar conta de um território bem diferente dos estádios.

A partir da Marginal do Rio Tietê, as vias de acesso ficam entupidas de gente, um mar alvinegro com ondas de proporções “tsunâmicas” a caminho do maior aeroporto do país.

A ocupação começa pelo estacionamento. Tudo dominado. Hinos e gritos de guerra já ecoam da multidão. Cantam com toda a força. Um brado que até os comandantes podem ouvir na final, de dentro de seu cockpit.

Confinados em um canto isolado para poupar os terminais de embarque e desembarque, os loucos aguardam ansiosamente não um voo, como se poderia esperar de quem está em Cumbica, mas um ônibus.

Trata-se de uma festa de despedida antes da guerra. Eles esperam seus heróis em Guarulhos, de onde voarão para o outro lado do mundo em busca de um título que parecia impossível, o mundial interclubes da Fifa disputado no Japão.

O time chega sem alarde. E os jogadores embarcam por uma área especial no voo Emirates 262 com destino a Dubai, a primeira escala antes do destino final. Sem contato com os atletas, o bando parte desordenado para o saguão do aeroporto.

Sim, é um estouro da boiada. Aeroviários, atônitos, filmam a entrada daqueles 15 mil loucos, que transformam o terminal 2 de Cumbica em uma arquibancada de estádio de futebol em final de campeonato.

Bandeiras tremulando, cantos apaixonados e gente de preto passando sem parar. Um espetáculo proporcional à paixão de uma torcida de 30 milhões de sofredores. O show continua sem um minuto de interrupção, até que o Boeing 777 deixa o solo na proa do Oriente Médio.

A algazarra se dissipa no aeroporto, deixando seu rastro, mas, de casa, outros loucos acompanham pelo computador o triplo sete. Em sites como Flight Radar 24 e Flight Aware eles se transformam em controladores e monitoram o voo virtualmente. Usam a tecnologia ADS-B, quem diria. Só mesmo o Corinthians.


Crônica

Artigo publicado nesta revista

Na rota do furacão

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Na rota do furacão

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas