Resultados da pandemia

Pandemia fez Emirates ter seu primeiro prejuízo em mais de 30 anos

Grupo Árabe registrou perdas que superaram os R$ 30,5 bilhões


Airbus A380 da Emirates Airline em voo

Emirates ainda mantém a estrutura da frota baseada nos A380 e 777

Após enfrentar um dos mais desafiadores períodos de sua história, a Emirates registrou prejuízo de US$5,5 bilhões (R$ 28 bilhões) no ano financeiro encerrado em 31 de março.

O grupo árabe, que engloba também a dnata, empresa de serviços aeroportuários, teve perdas totais de US$ 6 bilhões (R$ 30,5 bilhões).

A reversão dos lucros foi consequência dos efeitos da pandemia do coronavírus no setor. Um dos entraves para a Emirates foi sua estrutura de rotas de longo alcance, com uma frota composta exclusivamente pelos Airbus A380 e Boeing 777.

“A pandemia de covid-19 continua causando um grande impacto em vidas humanas, comunidades, economias e na indústria de aviação e viagens. Em 2020-21, a Emirates e a dnata foram duramente atingidas pela queda na demanda por viagens aéreas internacionais, uma vez que os países fecharam suas fronteiras e impuseram rígidas restrições às viagens”, disse o Sheik Ahmed bin Saeed Al Maktoum, CEO da Emirates Group.

A companhia aérea teve redução de 66% nas receitas, para US$ 8,4 bilhões (R$ 42,7 bilhões). O mesmo percentual negativo foi observado nas receitas do grupo, que foram de US$ 9,7 bilhões (R$ 49,3 bilhões).

Houve também baixas nos ativos, com onze aeronaves retiradas da frota e o número de funcionários foi reduzido em 31%, atingindo todas as partes do grupo. Porém, com a renegociação de contratos e a readequação das operações foram poupados US$ 2,1 bilhões (R$ 10,7 bilhões).

Apesar da crise, a Emirates afirmou ter investido US$ 1,3 bilhão no ano financeiro, a fim de adquirir novas aeronaves e tecnologias para o mercado futuro. “Ninguém sabe quando a pandemia vai acabar, mas sabemos que a recuperação será irregular. Economias e empresas que entraram em tempos de pandemia em uma posição forte estarão em melhor posição para se recuperar”, disse Al Maktoum.

O governo de Dubai trabalha para viabilizar a rápida retomada do transporte aéreo e o turimo internacional, considerados fundamentais para a estrutura econômica do país.

  • Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Por Marcel Cardoso

Publicado em 15 de Junho de 2021 às 08:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Emirates Airbus A380 Boeing 777 dnata