Negócios da China

Pandemia criou novas oportunidades para aviação de negócios na China

Paralisação dos voos regulares gerou nova demanda para uso de aviões particulares no país


China poderá se tornar em breve também o maior mercado global de aviação de negócios

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

A pademia de covid-19 levou a uma mudança no modo que a China reconhece a aviação de negócios. A crise sanitária, que teve origem no país, tornou o uso de aeronaves particulares uma ferramenta importante para a geração de novos empreendimentos e de viagens seguras.

Até recentemente a aviação de negócios era vista na China como um luxo para poucos afortunados. Mesmo o país asiático sendo sede de centenas de gigantes conglomerados de sucesso global e reunindo boa parte dos bilionários do mundo, o governo central de Pequim impõe uma série de regras para uso de aviões e helicópteros executivos no país.

O Sino Jet, uma das principais empresas de aviação de negócios da China, recebeu mais de duas mil consultas no período de janeiro a abril de 2020, ajude da pandemia na Ásia, muitas delas de novos usuários da aviação de negócios.

Entre o novo perfil de usuários estão empresários que necessitam se deslocar pela China ou países vizinhos, que sofreram com a redução de voos comerciais ao mesmo tempo que seus negócios continuavam ativos.

Executivos de start-ups e de empresas de alta tecnologia não registraram grandes impactos em seus negócios durante a pandemia, mas sofreram com as restrições de viagens e cancelamentos de voo em toda o mundo. Uma particularidade do mercado asiático é que muitos negócios são fechados apenas após reuniões presenciais, exigindo assim o deslocamento de empresários e executivos.

O uso de jatos de negócios permitiu grande parte das indústiras chinesas retomarem as atividades, aliando a disponibilidade de horário flexível com a maior segurança sanitária. Aliás, a vantagem em relação as questões de saúde têm sido apontadas por usuários da aviação de negócios em todo o mundo.

No caso chinês, um dos desafios adicionais foi garantir a qualidade do ambiente a bordo e a saúde das tripulações. Com uma crescente demanda por voos as poucas empresas de aviação de negócios da China tiveram que criar um novo processo de operação.

A Sino Jet passou utilizar suas duas sedes, uma em Pequim e outra em Hong Kong, para montar uma equipe dedicada a monitorar o ambiente operacional e regulatório em rápida mudança. Além de dedicar considerável atenção aos rigorosos regulamentos chineses, a empresa criou uma equipe especial para cuidar da saúde da tripulação, limpeza de aeronaves e desinfecção.

"Apesar de todos os problemas óbvios, vemos uma oportunidade para a indústria [de aviação de negócios] para desempenhar um papel na recuperação econômica da região. Com o crescente entendimento do valor da aviação de negócios, podemos operar voos essenciais que, de outra forma, seriam impossíveis”, comentou um porta-voz da Sino Jet.

De acordo com especialistas do setor, a tendência é que a China passe a investir mais no segmento após as comprovadas as vantagens competitivas que seus empresários terão em mercados de todo o mundo. Com uma indústria local em crescimento vertiginoso, os jatos de negócios podem oferecer a flexibilidade necessária para ampliar a vasta rede global das empresas chinesas, que ainda dependem de voos regulares para alinhar agendas e fechar negócios.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 28 de Julho de 2020 às 15:38


Notícias notícia de aviação aeronave avião jatinho jato de negócios aviação de negócios Falcon 8X Dassault Gulfstream