Começando de novo

Embraer terá férias coletivas para concluir separação da aviação comercial

Fabricante brasileira paralisará seus 15 mil funcionários enquanto finaliza acordo com a Boeing


Embraer terá férias coletivas em janeiro enquanto estrutura negócio com a Boeing

A Embraer comunicou aos funcionários que concederá férias coletivas entre os dias 6 e 20 de janeiro em todas suas unidades no Brasil, para iniciar o processo de transferência do controle de sua divisão de aviação comercial para a Boeing,

A paralização impactará diretamente cerca de 15 mil trabalhadores, que manterão os vencimentos normalmente durante a licença. O processo é necessário para a reorganização estrutural da companhia, que ficará focada agora nos negócios da aviação de negócios, militar e novas tecnologias.

LEIA TAMBÉM

Em comunicado interno a Embraer explicou que a paralização será necessária para realizar uma complexa mudança no sistema de TI, onde as operações estarão fora do ar no período do que definiu como blackout. A companhia avalia exceções nos sistemas de TI para manter suas operações minimas durante o período.

Após o período de blackout a unidade de Aviação Comercial estará segregada da Embraer, com sistemas independentes e todas as pessoas já transferidas e trabalhando dedicadas ao novo negócio. A mudança é importante para estabelecer as estratégias da Embraer e da Boeing Brasil Commercial, que mesmo parceiras na joint venture, terão negócios separados que dependem de sistemas próprios e sigilosos. 

"Essa paralisação é necessária para que os sistemas de TI sejam duplicados/segregados em dois ambientes diferentes. Além disso, de 1º de janeiro até a contribuição sistêmica dos ativos e passivos (dropdown / upload) reduziremos os registros de transações a próximo de zero", afirma a Embraer em comunicado divulgado internamente.

A Boeing assumirá 80% da divisão de aviação comerciais da Embraer, pelo qual desembolsou US$ por 4,75 bilhões, em um acordo aprovado pelos acionistas de ambos fabricantes e pelo governo brasileiro. O processo ainda depende da aprovação de diversos órgãos governamentais, inclusive na Europa, onde o processo está passando por intensa investigação regulatória. As autoridades europeias divulgaram que a análise deverá se estender até meados do dia 20 de fevereiro de 2020. O temor é que a Boeing passe a deter excesso de mercado com a absorção da divisão comercial da Embraer, responsável atualmente pela família E-Jet, incluindo a nova geração designada de E2, que detém mais da metade do mercado global de aviação regional a jato entre 70 e 120 assentos.

Em nota enviada a AERO Magazine a Embraer afirmou que após o período divulgado as atividades serão retomadas normalmente.

NOTA OFICIAL DA EMBRAER

A Embraer comunicou hoje aos funcionários que concederá férias coletivas entre os dias 6 e 20 de janeiro nas unidades da empresa no Brasil, com o objetivo de implementar a segregação interna do negócio de aviação comercial da companhia, o qual permanecerá integralmente na Embraer até a obtenção de todas as aprovações das autoridades concorrenciais. Após as férias, as atividades serão retomadas normalmente.

A Embraer manterá seus acionistas e o mercado em geral informados sobre novas informações relevantes a respeito da operação.

* Conteúdo atualizado às 22h13

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Edmundo Ubiratan | Imagem: Divulgação

Publicado em 10 de Outubro de 2019 às 22:13


Notícias notícia de aviação aeronave avião Embraer fusão Boeing aviação comercial União Europeia joint venture férias coletivas