Guerra de tensões

Bombardeiros da China e Rússia realizam exercício conjunto [com vídeo]

Manobra ocorreu próximo as regiões de fronteira de diversos países rivais


Exercício entre Rússia e China envolveu caças e bombardeiros de ambos os países

O Ministério da Defesa da Rússia anunciou na última terça-feira (22), a realização da segunda patrulha aérea conjunta com a China. O exercício especial envolveu as forças aeroespaciais russas e a força aérea do exército de libertação popular chinês, que ampliaram sua interação conjunta.

Foram utilizados dois bombardeiros russos Tupolev Tu-95MS e quatro bombardeiros chineses Xian H-6K, este último uma versão do Tu-16 produzido na China. A manobra ocorre em um momento que ambos os países se preparam para lidar com as novas políticas internacionais dos Estados Unidos.

Os seis aviões voaram através do Mar do Japão e o Mar da China Oriental, próximo a fronteiras de rivais como Japão, Coreia do Sul, Taiwan e bases militares norte-americanas na região. Ainda que seja considerado uma missão padrão, o exercício demonstrou a capacidade de resposta e ataque da Rússia e China, que ampliaram sua atuação conjunta em diversas pautas geopolíticas e projetos estratégicos.

Note que o ronco característico do Tu-95 é audível mesmo quando filmado de um caça

A missão teve o objetivo de aprofundar e desenvolver as relações russo-chinesas de parceria abrangente, visando melhorar a interação entre as forças armadas dos dois países e fortalecer as suas estratégias.

Durante a missão, as aeronaves de ambos os países atuaram estritamente de acordo com as disposições do direito internacional sem violação do espaço aéreo de outros países.

Por Gabriel Benevides

Publicado em 23 de Dezembro de 2020 às 12:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Tupolev Tu-95 Tu-16 Xian H-6 China Rússia força aérea Estados Unidos Joe Biden