Jumbo espacial

Boeing 747 lança com sucesso foguete com dez nanosatélites

Projeto da Virgin Orbit promete reduzir os custos de acesso ao espaço e ampliar opções de lançamento


Lançamento bem-sucedido do foguete LauncherOne colocou dez nanosatélites na órbita baixa

Ontem (17) um Boeing 747 ampliou sua lista de serviços prestados ao disparar ontem o primeiro foguete que levou ao espaço uma série de nanosatélites da Nasa.

Conduzido pela Virgin Orbit, empresa de lançamentos espaciais do grupo Virgin, a missão Demo 2 comprovou a viabilidade do uso do sistema LauncherOne. O foguete com 21 metros de comprimento e composto por dois estágios, promete reduzir os custos de envios de satélites na órbita baixa e de experimentos suborbitais.

A missão Demo 2 partiu no último domingo (17) do chamado Mojave Air and Space Port, localizado no deserto de Mojave, na Califórnia. O Boeing 747-400, batizado de Cosmic Girl, decolou às 10h50 (horário local) e voou para o sul das Channel Island, um pequeno arquipélago localizado no Oceano Pacífico, próximo de Los Angeles. O foguete transportou uma série de dez CubeSats, pequenos satélites educacionais utilizados pela Nasa.

Os satélites da missão de ensaios da Virgin Orbit fazem parte do CubeSat Launch Initiative (CSLI), um projeto da Nasa onde praticamente todos os nanosatélites foram projetados, construídos e testados por universidades dos Estados Unidos. No caso da missão Demo 2, os dez equipamentos foram criados pela Brigham Young University (PICS), University of Michigan (MiTEE) e University of Louisiana at Lafayette (CAPE-3).

Já o lançamento foi conduzido programa de lançamento de serviço (Launch Services Program) da Nasa. A intenção da agência espacial é criar um sistema de lançamento que reduza seus custos de acesso ao espaço, especialmente relacionados as missões em órbita baixa e de curta duração.

Saiba mais...

Sistema reduz os custos e permite escolher o melhor ponto na Terra para realização do lançamento

O sistema de lançamento não é uma novidade no setor espacial, sendo já conhecido há várias décadas. A técnica chamada de lançamento aéreo, em que um foguete é lançado sob a asa de um avião a jato em vez de uma plataforma de lançamento tradicional no solo, melhora a capacidade de carga e torna mais flexível os locais para acessar a órbita desejada.

Desta foram, o avião pode lançar um foguete em uma infinidade de pontos no planeta, buscando a melhor posição geográfica para atender as necessidades da missão. A estratégia reduz os custos e o combustível necessário para atingir a posição correta no espaço, além de ampliar a capacidade de carga útil do foguete.

O foguete LauncherOne foi montado na posição de instalação do quinto motor do 747

O foguete LauncherOne é propelido por combustível líquido, o que reduz seu custo e ameniza os riscos de falha catastrófica. Até o ensaio bem-sucedido da Virgin Orbit, nenhum foguete do tipo lançado por um avião havia cumprido com sucesso o lançamento de satélites.

A montagem do foguete ocorre em um ponto de montagem de um quinto motor do 747. Originalmente a posição foi criada para transportar um motor extra para locais onde algum 747 necessitasse da troca do propulsor, mas que raramente é utilizado nos dias de hoje.

“Uma nova porta de entrada para o espaço acaba de se abrir! O fato do LauncherOne ter conseguido alcançar a órbita com sucesso hoje é uma prova do talento, precisão, direção e engenhosidade desta equipe”, comemorou Dan Hart, CEO da Virgin Orbit. “Mesmo em face de uma pandemia global, mantivemos o foco em demonstrar totalmente todos os elementos deste sistema de lançamento revolucionário. Esse esforço valeu a pena hoje com uma missão bem executada, e não poderíamos estar mais felizes”.

O projeto é patrocinado pelo grupo Virgin, do bilionário e entusiasta do setor aeroespacial Sir. Richard Branson, que tem apostado na conquista do espaço. Atualmente duas iniciativas são apoiadas pela Virgin, a plataforma de turismo espacial Virgin Galactic e a Virgin Orbit, focada em lançamentos de satélites.

“A Virgin Orbit conquistou algo que muitos consideravam impossível. Foi tão inspirador ver nosso 747, [ex-] Virgin Atlantic, especialmente adaptado como Cosmic Girl, lançar o foguete LauncherOne em órbita”, disse Sir Richard Branson, fundador do grupo Virgin.

A Virgin Orbit planeja agora fazer a transição para o serviço comercial de lançamentos já em sua próxima missão. Atualmente a empresa tem reservado lançamentos da Força Espacial dos Estados Unidos, Royal Air Force, e de clientes comerciais como a Swarm Technologies, a SITAEL e GomSpace.

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 18 de Janeiro de 2021 às 09:45


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Boeing 747 747-400 Virgin Atlantic Virgin Orbit LauncherOne Nasa USAF RAF Cosmic Girl