Alivio temporário

Empresa que controla a British e Iberia obtém crédito de US$ 1,8 bi

Recurso será usado para manter viabilidade do grupo pelos próximos meses


Airbus A330neo da Iberia

Iberia e British Airways estão entre as empresas mais impactadas pela crise de saúde na Europa

O International Airlines Group (IAG), que controla companhias aéreas como a britânica British Airways e a espanhola Iberia, anunciou nesta quarta-feira (24) que obteve uma linha de crédito de US$ 1,8 bilhão (R$ 9,9 bilhões), junto a um grupo de bancos, de modo a manter a sua viabilidade operacional durante os próximos meses.

O acordo prevê, como garantia, aeronaves próprias das empresas aéreas do grupo e os slots nos aeroportos de Heathrow (LHR) e Gatwick (LGW), em Londres, duas das principais bases da British Airways até o início de 2020.

Esta nova linha de crédito irá substituir a atual, que expira no final de março. A companhia espera acertar seu fluxo de caixa, fortemente impactado pela drástica redução na demanda de passageiros e as incertezas de curto prazo.

Com isso, a liquidez financeira da IAG irá aumentar para US$ 12,2 bilhões (R$ 67,1 bilhões), colocando-a em uma situação melhor para enfrentar os próximos meses.

O grupo teve prejuízo de US$ 8,5 bilhões (US$ 46,8 bilhões) em 2020, como consequência da queda do tráfego causada pela pandemia. Apenas o transporte de cargas se manteve rentável no ano.

Ainda que tenha aposentado prematuramente seus Boeing 747-400, a British Airways afirmou que deverá manter os Airbus A380 na frota, graças a grande capacidade do modelo e sua boa aceitação entre passageiros. Antes mesmo da pandemia a empresa cogitava adquirir algumas unidades usadas, para ampliar sua oferta com o Super Jumbo.

Por Marcel Cardoso

Publicado em 24 de Março de 2021 às 16:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Airbus Boeing 747 747-400 A380 Iberia A330neo British Airways IAG pandemia Europa