Voto de confiança

Boeing amplia vendas do 737 MAX para a Ryanair

Acordo prevê mais 75 aviões do 737 8-200, a versão de maior capacidade da família


Contrato com a Ryanair demonstra confiança da companhia no futuro do 737 MAX

Dias após as autoridades dos Estados Unidos liberarem os voos com o 737 MAX, a Boeing e Ryanair firmaram um contrato firme para 75 aeronaves adicionais, ampliando a carteira da empresa irlandesa para 210 aviões.

O pedido é referente ao 737 8-200, a versão de maior capacidade do 737-8 e voltado para rotas de média distância e grande demanda. O modelo é especialmente atraente para companhias low cost, como o caso da Ryanair.

"O conselho e as pessoas da Ryanair estão confiantes de que nossos clientes vão adorar essas novas aeronaves. Os passageiros vão desfrutar dos novos interiores e espaço para as pernas mais generoso”, disse Michael O'Leary, o CEO do Grupo Ryanair.

A empresa tem ampliado o conforto a bordo de suas aeronaves, conhecidas pela configuração de alta densidade e quase nenhum espaço para passageiros. O uso de um modelo de maior capacidade permite ampliar a oferta de assentos e reduzir os custos por voo, o que deve se traduzir em tarifas mais competitivas, especialmente em um momento de combustível barato.

A assinatura do contrato ocorreu em Washington D.C, a capital dos Estados Unidos, com a participação de O’Leary e demais executivos da Ryanair, assim como do CEO da Boeing, Dave Colhoun. A escolha de realizar a cerimonia na Capital norte-americana carrega forte simbolismo, demonstrando a retomada da confiança do mercado no 737 MAX, assim como das autoridades reguladoras.

“Estamos gratos que a Ryanair está mais uma vez depositando sua confiança na família Boeing 737 e construindo sua frota futura com este pedido firme ampliado”, disse Dave Calhoun, presidente e CEO da Boeing.

A ampliação do contrato também ocorre em um momento de forte retração do mercado causada pela pandemia do novo coronavírus, mas apresenta a oportunidade de recebimento dos aviões no momento de retomada planejada da demanda por viagens.

"Assim que o vírus da covid-19 retroceder – e provavelmente acontecerá em 2021 com o lançamento de várias vacinas eficazes – a Ryanair e nossos aeroportos parceiros em toda a Europa irão restaurar voos e horários rapidamente, recuperar o tráfego perdido e ajudar as nações da Europa a recuperar suas indústrias de turismo e fazer com que os jovens voltem a trabalhar nas cidades, praias e resorts de esqui da União Europeia", apontou confiante O'Leary.

A Ryanair é o cliente lançador da variante 737-8 de alta capacidade, tendo feito seu primeiro pedido de 100 aviões e 100 opções no final de 2014, seguido por pedidos firmes de dez aviões em 2017, seguido de outro para 25 aeronaves em 2018. A empresa deverá configurar o avião com 197 assentos, aumentando o potencial de receita e reduzindo o consumo de combustível em 16% em comparação com a família 737 NG.

  • Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 3 de Dezembro de 2020 às 16:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião Boeing 737 MAX 737 NG 737 Ryanair low cost covid-19 Europa EASA