Atentado contra a segurança de voo

Ataques a laser contra aeronaves crescem nos EUA

Em em meio à pandemia ação registrou alta e foram reportados mais de 7.000 casos em 2020


Laser apontado para dentro do cockpit

Quase 7.000 ataques foram registrados no país apenas em 2020

O número de ataques contra aeronaves civis usando canetas laser de alta potência cresceu consideravelmente nos Estados Unidos no último ano. De acordo com a FAA, a agência de aviação civis do país, mesmo com a redução no número de voos por causa da pandemia, o registro de casos envolvendo laser cresceu no último ano.

Segundo a FAA, em 2020 foram registrados 6.852 casos de ataques deste tipo nos Estados Unidos, aumento de cerca de 11,7% em relação ao ano anterior. O número foi o maior desde 2016, que era considerado o pior ano para este tipo de evento.

Ainda que pareça um exagero chamar de ataque, o apontado de laser contra aviões pode causar graves consequências, especialmente nas fases de pouso ou aproximação final. Este tipo de ação é um risco para a segurança de voo. A luz intensa pode desorientar pilotos e copilotos durante as fases críticas do voo, e em casos extremos causar acidentes.

A FAA diz que enfatiza a necessidade de conscientizar de forma contínua à sociedade sobre o risco de apontar lasers para aeronaves. A agência via progresso nesta questão com o decréscimo de casos nos anos de 2017 e 2018, mas o súbito aumento nos dois anos seguintes fez com que este apelo fosse ratificado com mais força.

Desde 2012, esta ‘brincadeira’ é considerada crime nos Estados Unidos, com uma lei que modernizou a legislação aeronáutica do país. O caso é considerado atentado contra a segurança de voo.

Por Marcel Cardoso

Publicado em 16 de Março de 2021 às 16:30


Notícias notícias de aviação aeronave avião FAA laser cockpit