O futuro ao mercado pertence

Acordo entre Embraer e Comac é considerado especulação

Especialistas avaliam que é cedo para falar sobre futuras parcerias internacionais


Embraer avalia futuro de parcerias, mas não confirma nenhum tipo de negociação no presente

Uma série de especulações surgiram após a Boeing colocar um fim nas negociações para uma joint venture com a Embraer, colocando diversas dúvidas sobre o futuro do fabricante brasileiro. Entre as possibilidades levantadas está uma parceria com a chinesa Comac, que trabalha para estruturar uma divisão de aviação comercial.

A negociação especulada durante o final de semana ganhou destaque na imprensa hoje (27), com destaque para a matéria da colunista Thaís Oyama, do UOL, que afirma que a equipe econômica do governo trabalhava em uma alternativa para a desistência dos americanos seria abrir negociações com os chineses.

LEIA TAMBÉM

Especialistas não acreditam que um novo acordo seja possível em um curto espaço de tempo, visto que o fim da parceria é recente e envolverá uma série de negociações entre a Embraer e a Boeing. Ainda assim, uma série de pretendentes podem surgir no futuro, além da fabricante chinesa de aviação comercial. “Entre as opções podemos destacar um alinhamento com a Saab, que expandiria o portfólio das duas companhias”, diz Olavo Gomes, consultor aeronáutico. “Hoje é apenas uma especulação. Apenas como exercício de raciocínio podemos elencar diversas empresas, como Lockheed [Martin], Northtop [Grumman], Comac, entre outros. Podemos afirmar que apenas a Airbus estaria de fora da lista”, avalia.

A Embraer, em resposta aos questionamentos da AERO Magazine, afirmou que acordo com a Boeing era considerado importante e que a mudança na joint venture certamente atrai o interesse de outros parceiros internacionais. Todavia, destaca que não poderá comentar sobre novas parcerias.

Pela manhã, em entrevista em frente ao Palácio da Alvorada, o Presidente Jair Bolsonaro afirmou que pode negociar a venda da Embraer para outra empresa. “Se o negócio realmente for desfeito, talvez recomece uma nova negociação com outra empresa", disse. 

Abaixo a íntegra do comunicado da Embraer

A Embraer é uma empresa líder da indústria aeroespacial e está bem preparada para o futuro com uma linha de produtos altamente competitivos em todos os mercados em que atua. A Embraer se mantém uma empresa bem-sucedida, eficiente, diversificada e verticalmente integrada, com histórico de sucesso no atendimento a clientes com produtos e serviços, construídos em uma base sólida de recursos industriais e de engenharia. A empresa é uma exportadora e desenvolvedora de tecnologia, com atuação global em aviação de defesa, executiva e comercial.

O acordo com a Boeing era considerado importante, mas não essencial para o futuro da Embraer. A Companhia se mantém uma empresa bem-sucedida, eficiente, diversificada e verticalmente integrada, com histórico de sucesso no atendimento a clientes com produtos e serviços, construídos em uma base sólida de recursos industriais e de engenharia. A empresa é uma exportadora e desenvolvedora de tecnologia, com atuação global em aviação de defesa, executiva e comercial.

A Embraer é uma das líderes mundiais da indústria aeronáutica, com uma linha de produtos renovada e extremamente competitiva nos segmentos da aviação comercial, aviação executiva e defesa e segurança, o que certamente atrai o interesse de outros parceiros internacionais. No entanto, não temos nada a comentar sobre novas parcerias.

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 27 de Abril de 2020 às 15:30


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing Embraer E-Jet E-Jet E2 joint venture Comac Saab Airbus Lockheed Martin