Poder de veto através da golden share

Bolsonaro diz que poderá negociar venda da Embraer

Presidente afirma que detém poder de escolher novo comprador e lembra que possui poder de veto


Boeing cancela acordo de joint venture e abandona parceria com a Embraer

O Presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta segunda-feira (27), que pode negociar a venda da Embraer para outra empresa. A declaração ocorreu em frente ao Palácio da Alvorada, na tradicional conversa com a imprensa.

Segundo o Presidente, a decisão de uma futura venda cabe apenas a ele, já que o Governo Federal possui poder de veto em decisões estratégicas na Embraer, através da chamada golden share, ação especial em poder do Estado.

LEIA TAMBÉM

"Estamos avaliando, tenho o golden share, é minha. Eu assino, tá?”, frisou o Bolsonaro ao sair do Palácio da Alvorada ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Se o negócio realmente for desfeito, talvez recomece uma nova negociação com outra empresa".

Todavia, o acordo negociado com a Embraer não tem relação com o governo, que mesmo tendo a golden share não participou ativamente das negociações que tiveram início em 2017. A parceria com a Boeing era vista como estratégica após a Airbus adquirir da Bombardier o programa CSeries, principal rival dos E-Jet E2. O modelo rebatizado como A220 se tornou um sucesso no mercado imediatamente após a Airbus passar a comercializá-lo. Além da maior estrutura de vendas do fabricante europeu, o A220 se beneficiou de um maior acesso a linhas de crédito e financiamento.

Após a Embraer e Boeing comunicarem no sábado o final do acordo, o fabricante brasileiro realizou hoje (27), uma teleconferência com investidores onde anunciou em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que deu início aos procedimentos arbitrais sobre o final do acordo. A empresa ainda não comunicou como deverá proceder no segmento de aviação comercial, mas informou que possui estrutura sólida e caixa suficiente para manter suas operações independente do fim da parceria com a Boeing.

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 27 de Abril de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing Embraer E-Jet E-Jet E2 Airbus A220 Bombardier CSeries joint venture Bolsonaro