Voar em uma aeronave pirata pode representar risco de morte

Antes de contratar um voo, mesmo panorâmico , é importante ter certeza que aquela aeronave pode realizar tal tipo de serviço


Passo a passo para não cair num vôo pirata?

Para muitas pessoas voar é um sonho perseguido com afinco por vários anos, até que, um dia encontra na internet um anuncio tentador de um voo panorâmico baratinho. É a chance da vida dele. Leigo, embarca naquele que pode ser o primeiro e último voo de sua vida.

Quantas vezes essa história não se repetiu? Nos últimos anos, sem nenhuma pesquisa mais profunda me recordo do acidente em Capitólio, do acidente com a noiva em São Paulo, da fotografa que caiu na serra em Santos, entre outros.

Em comum? Todos vôos irregulares, clandestinos, piratas. Fretamentos não autorizados, o famoso Transporte Aéreo Clandestino, ou Táxi Aéreo Pirata, o TACA. Quando cheguei em São Paulo, há seis anos, eu não conhecia o termo. Vivia na bolha dos helicópteros offshore (utilizados na exploração de petróleo), e confesso que fiquei chocado quando caminhando pelo Campo de Marte, buscando aeronaves para um aplicativo que estava desenvolvendo, me ofereceram várias aeronaves privadas.

Naquele tempo não era conhecido em São Paulo, hoje acredito que não aconteceria isso, mas foi quando tomei conhecimento do TACA. Os riscos são inaceitáveis para mim, que passei a minha carreira implantando sistemas de segurança operacionais e conheço a diferença entre a operação de um táxi aéreo e uma operação privada.

Além disso, existe a questão legal, que inclui a cobertura do seguro, situação fiscal, enfim, uma série de implicações que utilizar o transporte pirata traz consigo. Mas como identificar se uma aeronave é pirata ou não? O que fazer caso eu tenha dúvidas?

Se você contratou um voo, um fretamento, nunca abra mão da nota fiscal, e faça questão que a descrição do serviço seja “fretamento de aeronave” e que nela conste a matrícula da aeronave.

Procure saber a matrícula da aeronave com antecedência, se não conseguir, ao chegar siga os passos do quadro abaixo, para verificar se a aeronave está registrada corretamente na ANAC.

Em caso de dúvida, não embarque! Pode ser que não aconteça nada no voo, as chances inclusive são essas, que nada ira acontecer. Porém, ainda que pequena probabilidade de algum acidente acontecer, ela existe. Pequena, mas ainda sim maior do que se fosse um táxi aéreo. O pior, caso essa pequena chance se concretize, você estará desamparado.

COMO IDENTIFICAR SE UMA AERONAVE É TÁXI AÉREO

1)    No seu celular entre em: https://sistemas.anac.gov.br/aeronaves/cons_rab.asp, digite a matrícula da aeronave (sem o hífem) por exemplo: PRAER ou PTMAG.

Na imagem exemplo utilizando um Boeing 777, da extinta Varig. Parece absurdo usar o exemplo de uma aeronave comercial, mas é importante saber diferenciar cada tipo de operação.

Veja a categoria de registro da aeronave, deve aparecer Tx Aereo ou TPX, veja também se a situação de aeronavegabilidade está normal.

2)    Veja se está pintado Táxi aéreo na porta da aeronave

3)    Veja se está pintado o nome e o logo da empresa de táxi aéreo na aeronave

4)    Veja se o piloto está uniformizado e com crachá

5)    Verifique se pediram seu nome completo, RG ou CPF e seu Peso, todo táxi aéreo precisa dessas informações

6)    Verifique se há um cartão com instruções de emergência no seu assento, todo táxi aéreo possui um desses.

Mais importante: Na dúvida, não embarque.

Shailon Ian é formado pelo ITA como Engenheiro Aeronáutico, é CEO Vinci Aeronáutica.

Shailon Ian

Publicado em 13 de Fevereiro de 2019 às 18:00


Cockpit Talk TACA taxi-aéreo ABAG