Perdas diárias superam os US$ 17 milhões

South African Airways cancela 8 rotas internacionais, incluindo São Paulo

Crise se agrava e companhia suspende também a maior parte dos voos domésticos


Em crise, South African Airways coloca aeronaves a venda e inicia cancelamento de voos

Com dívidas bilionária e a urgência de um aporte de 2 bilhões de Rand (US$ 460 milhões), a South African Airways (SAA) iniciou um novo replanejamento de sua malha aérea, cancelando oito destinos internacionais, incluindo São Paulo.

As perdas diárias da SAA de 70 milhões de Rand (US$ 17,2 milhões) tem pressionado o caixa da companhia que luta para manter suas operações. A empresa também anunciou o cancelamento de 150 voos previstos para este mês de fevereiro para reduzir custos. Em janeiro também foram retirados de serviço nove Airbus A340, que foram substituidos pelos A350 XWB.

LEIA TAMBÉM

A partir do dia 29 de fevereiro a SAA irá suspender definitivamente os voos entre Johanesburgo e Luanda, Guangzhou, Hong Kong, Livingston, Luanda, Ndola e São Paulo. A malha internacional ficará restrita, por ora, apenas com Londres, Perth, Nova York, Frankfurt e Washington. Além disso, todos os voos domésticos serão cancelados, exceto os que partem ou tem como destino Cape Town, mas ainda assim de maneira reduzida. A SAA afirma que a Mango, sua companhia low-cost, não sofrerá nenhuma alteração em relação aos seus voos domésticos e regionais. A expectativa é que justamente as operações da empresa de baixo custo consigam manter a conectividade interna, considerada fundamental para sobrevivência da SAA.

Em nota a South African Airways explicou que a decisão foi tomada por conta dos seus problemas financeiros, obrigando criação de um plano de reestruturação que ainda está em elaboração. A SAA enfrenta uma grave crise desde 2011, com agravamento da situação ao longo de 2019, quando a situação se tornou tecnicamente insolvente. No final de outubro, a agência sul-africana de aviação aterrou 25 aeronaves SAA, logo depois, os sindicatos entraram em greve de oito dias.

Atualmente a SAA necessita de um aporte emergencial de 4 bilhões de Rand (US$ 920 milhões), mas a maioria dos bancos relutam em aportar novos recursos, com o temor de se exporem ainda mais aos riscos de uma negociação. Os credores também temem solicitar os livros contábeis, com a certeza que uma exposição da situação financeira poderá pressionar as autoridades decretarem a falência da companhia, o que certamente levará a um não pagamento das dívidas.

O governo sul-africano afirmou que poderia obter até 2 bilhões de Rand (US$ 460 milhões) com a venda de propriedades estatais, ampliando as chances de recuperação da SAA. Todavia, o processo de venda de ativos públicos é um processo lento e oneroso, sem certeza de obter os ganhos estimados.

Analistas acreditam que existem poucas chances da SAA encerrar 2020, especialmente com a redução dos voos, que fatalmente levará a uma redução importante de geração de caixa, enquanto as dívidas se acumulam diariamente.

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Por Gabriel Benevides

Publicado em 13 de Fevereiro de 2020 às 08:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Airbus A340 A350 A350 XWB A340-600 A340-300 A330 África do Sul South African Airways