Corrida supersônica

Rússia e Emirados Árabes querem desenvolver aeronaves supersônicas

Países formalizam acordo para trabalharem em um projeto conjunto para um jato capaz de voar até Mach 1.8


Aerion AS1

Aerion foi uma das pioneiras na nova geração de aviões supersônicos civis

A Rússia e os Emirados Árabes Unidos trabalham na consolidação de uma parceria para o desenvolvimento de uma família de aviões supersônicos civis.

O anuncio foi feito pelo ministro russo da Indústria e Comércio, Denis Manturov, que informou que a United Aircraft Corporation (UAC) e o fundo de investimento Mudabala, dos Emirados Árabes Unidos, estão criando uma joint venture com planos de criar dois jatos supersônicos.

Por ora, a intenção é desenvolver um protótipo de um avião comercial, com até trinta assentos, que poderá gerar um jato de negócios, com até oito lugares. A Expectativa é de que os novos detalhes do projeto sejam apresentados ainda este ano e segundo Manturov estão confirmados investimento iniciais de US$ 100 milhões.

Os detalhes do programa irão depender dos estudos entre os participantes para avaliar a viabilidade do projeto que está em andamento desde meados de 2019. Porém, por enquanto apenas a Rússia estava envolvida no estudo do conceito de uma nova aeronave comercial supersônica, seguindo a tendência das empresas norte-americanas que trabalham em uma série de projetos há vários anos. O que se sabe até agora é que os novos jatos deverão ter a velocidade entre Mach 1,5 e Mach 1,8 (1.500 km/h e 2.200 km/h).

Durante o comunicado Manturov afirmou que a previsão de entrega da primeira aeronave é a partir de 2027.

Com a iminente viabilidade de dois novos jatos supersônicos de bandeira russa no futuro, a Tupolev anunciou alguns meses atrás o interesse de ter o seu próprio jato supersônico civil, que terá como base o bombardeiro Tu-160. A intenção neste caso é utilizar conceitos e soluções já testadas em serviço com a frota de bombardeiros, reduzindo assim custos de desenvolvimento, especialmente em questões aerodinâmicas.

Uma das questões em aberto é se o movimento representa uma volta da corrida das aeronaves civis supersônicas, visto que nos últimos anos a indústria da aviação conquistou amplos avanços no uso de energia limpa e fabricação de aeronaves mais eficientes com maior alcance e menor consumo de combustível.

A crise do coronavírus evidenciou a tendência da busca por aeronaves mais eficientes e menos poluentes, levando a aposentadoria de icônicos aviões como os Boeing 747, Airbus A340 e A380.

Por Gabriel Benevides

Publicado em 23 de Fevereiro de 2021 às 18:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião Boeing 747 Airbus A380 A340 Tupolev Tu-160 Aerion AS1 supersônico