Efeito MAX

Quando retornar aos céus o 737 MAX terá novos desafios

Boeing deverá enfrentar redução de pedidos ocasionados pela crise gerada pela pandemia


Expectativa é que o 737 MAX seja certificado em meados de outubro de 2020

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

Se o cronograma da Boeing para o 737 MAX se confirmar, o modelo deverá ser recertificado em meados de outubro, permitindo o retorno as operações algumas semanas depois, inclusive a tempo de aproveitar o bom movimento dos meses de dezembro e janeiro.

Ainda assim, o avião vai enfrentar mais alguns desafios, gerados pelo cenário pós-pandemia. Com a forte retração projetada no transporte aéreo para os próximos dois anos, somado aos prejuízos apontados por quase todas as grandes empresas aéreas do mundo, haverá pouca margem para negociação de novos contratos. Além disso, diversos pedidos deverão ser reavaliados e enxugados.

A Spirit Aerosystem, fornecedora de parte das estruturas principais do 737, incluindo a fuselagem, planeja reduzir a produção nos próximos meses. Algumas fontes no mercado apontam que a empresa deverá entregar até o final do ano um total de 70 fuselagens, ante as mais de 200 planejadas.

A Boeing registrou nos últimos meses uma série de renegociação de contratos referentes ao 737 MAX, além de pagar vultuosas indenizações as empresas aéreas operadoras do modelo. A expectativa é que a família MAX seja a última variante da bem-sucedida série 737, que ainda detém o recorde de avião comercial a jato mais vendido da história.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 24 de Julho de 2020 às 13:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 737 737 MAX covid-19 coronavírus covid-19 pandemia Spirit Aerosystem fuselagem