Jogo de poder

Primeiros caças Su-35 egípcios podem estar sendo produzidos

Compra dos aviões jamais foi confirmada pelo Egito


Rússia poderá estar produzindo os primeiros S-35 destinanos ao Egito, em um contrato jamais confirmado pelas autoridades

A Rússia iniciou a produção dos caças Su-35 destinados a força aérea do Egito, que deverão ser entregues nos próximos meses. Os aviões estão sendo produzidos pela KnAAZ, a unidade fabril em Komsomolsk-on-Amur, que faz parte de uma joint-venture entre a UAC, Sukhoi e KnAAPO.

A notícia divulgada pela agência TASS, o canal oficial do governo russo, afirma que os caças são parte de um acordo assinado com o Egito em 2018, em um contrato estimado em US$ 2 bilhões. Todavia, a assinatura de tal acordo jamais foi confirmada pelas autoridades egípcias, que inclusive que são um dos maiores operadores dos caças franceses Rafale, com 24 aviões encomendados e seis já em operação.

LEIA TAMBÉM

A TASS afirma que a foi iniciada a produção dos primeiros caças Su-35, destinado a ser entregue à Força Aérea Egípcia sob o contrato assinado em 2018, mas não informou o total de aeronaves que serão produzidas nem o prazo para a entrega do primeiro avião. Todavia, o valor pode dar pistas de  um total de vinte aviões, mais contratos para treinamento e manutenção. 

A notícia segue a publicada em 2019, pelo periódico russo Kommersant, que afirmou que o Egito havia assinado o contrato para a compra do Su-35, mas sem citar fontes oficiais. A KnAAZ não respondeu a AERO Magazine até a publicação do texto.

Embora o acordo não seja oficialmente reconhecido, em 2019 o governo dos Estados Unidos alertou as autoridades egípcias que um eventual pedido para o Su-35 acarretaria em uma mudança na diplomacia entre os dois países. A Casa Branca deverá aplicar a Lei de Sanções Contra Adversários da América (CAATSA), que prevê medidas de retaliação para os países que realizam transações com empresas de defesa ou inteligência da Rússia.

O governo do Egito não respondeu aos questionamentos de Washington, mas também não confirmou qualquer acordo com a Rússia. Atualmente o Egito é um dos maiores operadores também do caça norte-americano F-16, considerado fundamental para a defesa do país. Além disso, o Cairo tem mantido uma relação relativamente tranquila com Israel e com aliados dos Estados Unidos, inclusive ampliado a parceria no combate a grupos terroristas.

Caso a compra seja confirmada o Egito deverá ser um dos primeiros países do mundo a dispor do novo caça russo. Derivado do Su-27, o novo Su-35 é um dos mais avançados aviões de combate da atualidade, possuindo uma das maiores capacidades de carga útil, podendo levar até 8.000 kg de armamentos em doze pontos duros instalados sob as asas e fuselagem. Ainda que decolar com peso máximo limite o alcance drasticamente, o torna ideal para combate pesado em países com dimensões diminutas, como no caso do Egito.

A eventual confirmação da compra do SU-35 pelo Egito poderá mudar o equilíbrio de forças na região e a influência política entre as nações do Oriente Médio e seus pares Ocidentais.

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 19 de Maio de 2020 às 11:15


Notícias notícia de aviação aeronave avião caça Rafale Dassault Sukhoi Su-35 F-16 EUA Egito Rússia guerra combate jato