Adeus a frota

Primeiro Boeing 747-400 da British Airways é retirado de serviço

Pandemia acelerou o processo de aposentadoria dos Jumbos na empresa britânica


Com 'tradicional' tempo emcoberto londrino, o G-CIVD se despede da frota da British Airways após 25 anos de serviço

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

A British Airways iniciou hoje a aposentadoria gradual da sua frota de Boeing 747-400, retirando de serviço o primeiro avião do tipo. A proposta original previa a operação do modelo ao menos até 2024, mas a crise gerada pela pandemia global forçou a empresa britânica antecipar o processo.

O primeiro 747-400 a ser retirado de serviço, de matrícula G-CIVD, realizou o voo BA9170E, partindo de Londres com destino ao aeroporto de Castellon (CDT), localizado na Espanha. No aeroporto está localizado o Tarmac Aerosave, empresa especializada em manutenção, armazenamento e reciclagem de aeronaves.

O G-CIVD entrou em serviço com a British Airways em 1994, tendo recentemente completando 25 anos. O modelo ostenta a pintura especial da aliança oneworld, da qual faz parte da empresa inglesa. O último voo de passageiros da aeronave foi a repatriação de britânicos de Lagos, na Nigéria, em 18 de abril.

Antes da pandemia a British operava uma frota de 31 aviões 747-400, tendo inclusive recentemente realizado a pintura especial de algumas aeronaves da frota, em comemoração aos 50 anos de serviço do 747.

A família 747 tem sido uma parte icônica da frota da British Airways por quase cinquenta anos, que chegou operar simultaneamente com 57 aeronaves do tipo. O primeiro voo do 747 no Reino Unido ocorreu ainda nas cores da BOAC, que realizou uma viagem entre Londres e para Nova York em 1971.

A decolagem do G-CIVD de Londres poderá ter sido a última do avião, que possivelmente será desmontado

Em meados da década de 1970 a British Airways utilizava simultaneamente as duas mais icônicas aeronaves comerciais de seu tempo, o 747 e o Concorde, rivalizando entre seus pilotos quem voava o maior avião comercial do mundo (na época) e o mais rápido.

Com o avanço das tecnologias de propulsão e as regras cada vez mais rígidas para emissão de poluentes, a British havia iniciado uma gradual modernização da frota, substituindo os já veteranos Jumbos pelos Boeing 787 Dreamliner e Airbus A350 XWB, que consomem aproximadamente 25% menos combustível por passageiro transportado.

Uma das ironias da aposentadoria dos 747 da British Airways é que a maioria deverá ser enviada para o Tarmac Aerosave, justamente o local para a onde a rival Virgin Atlantic enviou seus Jumbos recentemente. Por vários anos os Jumbos de ambas empresas rivalizavam a preferência dos passageiros na prestigiosa rota entre Londres e Nova York, com provocações constantes da Virgin em relação a rival.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 19 de Agosto de 2020 às 08:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 747 747-400 British Airways Airbus A350 Nova York Londres 787 Dreamliner covid-19