Brexit

No Reino Unido haverá relocação ou perda de rotas

São as previsões para os efeitos do Brexit nas aéreas locais


As companhias aéreas baseadas no Reino Unido, incluindo a EasyJet e a Ryanair baseada na Irlanda, foram notificadas que precisam relocar suas sedes ou vender ações para cidadãos ou entidades europeias se desejarem continuar a operar rotas dentro da Europa, quando o país deixar a União Europeia.

As companhias aéreas devem ainda manter bases significativas na União Europeia e a maioria de suas ações devem passar para as mãos da mesma para continuar com suas rotas cruzando toda a Europa.

As consequências econômicas advindas da falha no cumprimento dos preceitos oriundos do Brexit poderão ser muito sérias para as companhias aéreas low-cost, que sobrevivem graças aos voos intra-europeus. O Reino Unido, maior indústria de aviação na Europa, poderia retaliar ao barrar o acesso das empresas da União Europeia às rotas domésticas britânicas.   .

Embora a Ryanair seja baseada em Dublin, somente 40% de suas ações pertencerão à União Europeia após a exclusão de cidadãos do Reino Unido. Além da Easyjet e da Ryanair, a British Airways, proprietária do Grupo IAG e o TUI Group também foram notificados.

Por Ernesto Klotzel

Publicado em 24 de Março de 2017 às 09:05


Notícias Easyjet Ryanair British Airways.IAG TUI União Europeia Reino Unido