Em meio à explosão de casos pelo mundo

Iata vê ‘exagero’ na reação de governos à variante ômicron

Afirmação foi dada em divulgação de dados de tráfego para o mês de novembro


Airbus A320neo da Azul

Companhias aéreas latino-americanas tiveram o melhor desempenho pelo 14º mês consecutivo | Foto: Divulgação

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) divulgou os dados de tráfego referentes ao mês de novembro de 2021, afirmando que a recuperação das viagens aéreas continuou no período, antes do surgimento da variante ômicron da covid-19. 

A demanda internacional manteve sua tendência de alta, à medida que mais mercados reabriram. O tráfego doméstico, no entanto, enfraqueceu, em grande parte devido ao fortalecimento das restrições de viagem na China. A demanda total por viagens aéreas no mês caiu 47,0% em relação a novembro de 2019. Isso marcou um aumento em relação à contração de outubro de 2019, de 48,9%.

Na América Latina, as companhias aéreas da região tiveram uma queda de 47,2% no tráfego de novembro, em comparação com o mesmo mês de 2019, uma alta acentuada em relação à queda de 54,6% em outubro em relação a outubro de 2019. A capacidade de novembro caiu 46,6% e o fator carga caiu 0,9 ponto percentual para 81,3%, o maior entre as regiões pesquisadas pelo 14º mês consecutivo.

O diretor-geral da Iata, Willie Walsh, voltou a criticar as medidas restritivas impostas por governos, com o avanço da nova variante. "Infelizmente, os governos reagiram exageradamente ao surgimento da ômicron no final do mês (de novembro) e recorreram aos métodos experimentados e fracassados de fechamento de fronteiras, testes excessivos de viajantes e quarentena para retardar a propagação”.

  • Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Marcel Cardoso

Publicado em 12 de Janeiro de 2022 às 18:15


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Iata Novembro Tráfego Omicron Dados