Inferno branco

Empresa com sede na cidade mais fria do mundo voa com aviões da Era Soviética

Com sugestivo nome de Polar a companhia opera em uma das regiões mais inóspitas do planeta


O Antonov 24 é um dos principais aviões da frota da Polar Airlines, que opera majoritariamente em regiões remotas

Receba as notícias de AERO diretamente no TelegramWhatsApp e Instagram

Embora pouco conhecida até na Rússia, a Polar Airlines é responsável pela ligação de grande parte do vasto território russo, interligando especialmente áreas remotas e sem conectividade com outros meios de transporte. A empresa se destaca também por ser uma das únicas do mundo a ainda voar com uma frota de aeronaves soviéticas, produzidas entre as décadas de 1940 e 1960.

A frota é composta principalmente pelos Antonov An-24, An-2 e helicópteros de transporte Mil Mi-8. A idade média dos aviões da Polar está em torno dos 40 anos, indo na contramão das companhias ocidentais que prezam por aeronaves mais novas e eficientes.

Ainda que existam modelos mais modernos e com capacidade de operar em pistas não preparadas, a justificativa é o tipo de operação da Polar, que voa especialmente na região de da República do Sakha, região localizada na parte leste da Rússia, cobrindo o Oceano Ártico. A sede da companhia, aliás, fica em Yakutsk, considerada a cidade mais fria do mundo, onde a temperatura média anual é de -8,8ºC, no inverno podendo ultrapassar os -60ºC.

Os Antonov An-24 e An-26 foram produzidos ainda nos tempos da União Soviética e já sentem o peso da idade

Com uma malha focada em destinos pouco rentáveis, com clima extremo, o uso de aeronaves confiáveis e baratas tem sido a opção mais atraente nos últimos 23 anos.A companhia criada em 1997 surgiu nas esteira do colapso da então gigante Aeroflot, que abandonou quase a totalidade de seus voos nos primeiros anos após o fim da União Soviética.

Os helicópteros Mi-8 operam em áreas ainda mais isoladas e extremas da Rússia, onde a temperatura pode superar os -60ºC

Porém, com a idade avançada dos aviões, a empresa já começa a sofrer com a falta de peças de reposição e pessoal técnico especializado. Tanto que a Polar Airlines planeja reformular totalmente a sua frota até 2025. O intervalo também é justificado, a companhia espera a entrada de serviço de aeronaves como o Ilyushin Il-114-300, que tem o primeiro voo planejado para o final deste ano será o responsável por substituir os já cansados Antonov An-24, com a possibilidade de incorporar no futuro o Sukhoi Superjet 100 e o Irkut MC-21. Este dois últimos contam com forte incentivo de Moscou para que empresas aéreas russas passem a voar com os mais recentes aviões projetados no país.

A malha da empresa é praticamente toda concentrada em destinos sem ligação aérea com o restante do mundo

Por ora, a Polar é uma das únicas empresas ainda a voar com uma alma dos tempos soviéticos, em um país que foi inundado por modelos da Airbus, Boeing e Embraer nas últimas três décadas.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Gabriel Benevides

Publicado em 11 de Setembro de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing Airbus Embraer Antonov Illyushin Il-114 Sukhoi Superjet MC-21 Irkut An-24 Mil-8 Yakutsk