Proibida de voar no EUA e Europa

Empresa aérea acusada de tráfico de drogas voa para o Rio

Com sede no Afeganistão companhia foi contratada para trazer suprimentos hospitalares da China


Voos especiais trouxeram equipamentos médicos importados da China para o combate a covid-19

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Considerada uma das piores empresas aéreas do mundo, a afegã Kam Air realizou um inédito voo para o Brasil. O voo especial, realizado por um Airbus A340-300, trouxe suprimentos hospitalares importados da China e pousou no aeroporto de Cabo Frio, no Rio de Janeiro.

A empresa foi contratada pelo governo para trazer ao Brasil insumos médicos para o governo do Rio de Janeiro para abastecer os hospitais da região. A Kam Air foi banida de voar no espaço aéreo dos Estados Unidos e da União Europeia após ter sido acusada de transportar drogas e contrabando em seus voos.

LEIA TAMBÉM

A empresa afegã foi fundada em 2003, se tornando a primeira companhia aérea privada do Afeganistão que por várias décadas não teve nenhuma empresa de aviação regular. Um dos primeiros contratos foi com o exército norte-americano, onde realizava o transporte de tropa e de equipamentos.

Entretanto, em 2013 foi acusada pelo governo dos Estados Unidos por suas atividades ílicitas, perdendo o direito de voar sobre o país e qualquer Estado membro da comunidade europeia. Além disso, todos os seus contratos militares foram encerrados, assim como o acesso a financiamento pela maior parte dos bancos do mundo.

A empresa já realizou dois voos para o Brasil, a primeira operação ocorreu no dia 27 de maio e a segunda na última sexta-feira (05). Os voos ligaram Nanjing, na China, a Cabo Frio, com uma escala técnica em Nairóbi, no Quênia. Segundo a Anac, a companhia afegã foi autorizada apenas a realizar operações de carga no Brasil, sem previsão de outras operações.

Por Gabriel Benevides

Publicado em 8 de Junho de 2020 às 11:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Airbus A340 Kam Air covid-19 Rio de Janeiro tráfico de drogas Afeganistão Kabul exército