Adeus Virgem do Atlântico

Virgin Atlantic entra com pedido de falência nos EUA

Empresa registrou perdas bilionárias após crise provocada pela pandemia de covid-19


Virgin negociou sem sucesso um aporte privado de 1,2 bilhão de libras

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

A companhia aérea britânica Virgin Atlantic entrou com um pedido de falência em Nova York, após mais de 30 anos de operações lucrativas. A empresa buscava uma ajuda emergencial para sobreviver à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, mas não conseguiu viabilizar um acordo.

Recentemente a Virgin Atlantic havia anunciado que negociava um resgate privado de 1,2 bilhão de libras (R$ 8,31 bilhões), mas não conseguiu formalizar o empréstimo a tempo de salvar o negócio. O fundador da empresa, Sir Richard Branson, chegou a anunciar publicamente que havia oferecido sua ilha particular como garantia para o empréstimo.

Poucas semanas antes a Virgin havia solicitado um resgate ao governo britânico, que recusou apoio. Sem um aporte financeiro para quitar obrigações de curto prazo a empresa entrou com pedido no capítulo 15, da lei de falências dos Estados Unidos, que envolve casos de empresas com operação em vários países. Segundo a lei, ao acionar o dispositivo a Virgin protege seus ativos nos Estados Unidos de credores do Reino Unido.

A agência Bloomberg havia anunciado na última terça-feira (28 de julho), que a Virgin Atlantic declarou em uma audiência que ficaria sem caixa até meados de setembro. Na ocasião a empresa buscava o aval jurídico para iniciar um plano de reestruturação junto aos maiores credores.

Recentemente a companhia fechou sua base no aeroporto de Gatwick, nos arredores de Londres, e cortou mais de 3.500 empregos para lidar com as consequências da pandemia.

De acordo com o Business Insider nem mesmo Delta Air Lines, que detém 49% da empresa fez uma oferta por uma injeção imediata de capital. Entre os possíveis motivos está a lei britânica que restringe investidores estrangeiros de deter mais de 49% das ações de uma empresa aérea. A Virgin ainda não protocolou, até o fechamento da matéria, nenhum pedido similar no Reino Unido.

Saiba mais...

A Virgin Atlantic havia planejado operar no Brasil, voando entre Londres e São Paulo, a partir de março deste ano, mas a pandemia forçou a companhia aérea a cancelar definitivamente o projeto. Atualmente a companhia britânica conta com mais de 45 aeronaves na frota, incluindo os Airbus A350-1000 e Boeing 787-9.

Texto atualizado às 23h47 do dia 04 de agosto de 2020

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 4 de Agosto de 2020 às 21:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Virgin Atlantic Gatwick Londres pandemia covid-19 Richard Branson