Caixa para vencer a crise

BNDES aprova empréstimo de R$ 1,5 bilhão para a Embraer

Consórcio liderado pelo banco de fomento estatal poderá elevar o valor para até R$ 3 bilhões


Aporte de capital poderá ajudar Embraer vencer período de incertezas durante a crise gerada pelo novo coronavírus

Após uma longa negociação, o BNDES aprovou um empréstimo de R$ 1,5 bilhão (US$ 300 milhões) para a Embraer. O aporte deverá permitir um novo folego financeiro para o fabricante brasileiro, fortemente atingido pela pandemia global, que reduziu a demanda por aviões em todo o mundo, aliado ao rompimento do acordo de joint venture com a Boeing.

O aporte do banco estatal faz parte de um pacote de crédito negociado com um consórcio de bancos, a maioria privados, que poderá emprestar até R$ 3 bilhões (US$ 600 milhões) para a Embraer, com condições mais competitivas que as existentes no mercado.

LEIA TAMBÉM

O BNDES vem negociando, desde abril, uma linha de financiamento para apoiar empresas brasileiras atingidas pela crise global e retração de mercados. A maior parte do consórcio é formado por instituições financeiras privadas, que trabalham junto ao banco de fomento brasileiro para criação de meios mais seguros e competitivos de injetar dinheiro na economia.

O acordo negociado com a Embraer prevê um prazo de pagamento de até quatro anos. O aporte de capital deverá reforçar o caixa do fabricante, garantindo recursos desde a fase de produção até o momento do embarque dos produtos para o mercado externo.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 16 de Junho de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing Embraer E-Jet E-Jet E2 pandemia joint venture BNDES socorro público dólar