Convocação pelo bem

Aviação de negócios unida para atuar no combate ao coronavírus

Setor se mobiliza para atender a demanda no transporte de equipes médicas e remédios


Aviação geral e de negócios voa para mais de 1.000 localidades no Brasil

Durante a grave crise instituída pelo COVID-19 no Brasil, com impacto na saúde, na sociedade e na economia do país, a Synerjet convidou empresas da aviação geral e de negócios para ajudar a combater a pandemia.

Um dos desafios para a área de saúde é o transporte urgente de suprimentos, equipes médicas e deslocamentos de enfermos. A drástica redução na malha aérea regular, que encolheu mais de 94% na última semana, ampliou as dificuldades de transporte emergencial. A Synerjet, distribuidora exclusiva para toda América Latina da Pilatus Aircraft, acredita que a aviação de negócios poderá ser uma das principais ferramentas no auxílio a erradicação do COVID-19 no Brasil.

LEIA TAMBÉM

“A doença [COVID-19] exige a movimentação pelo país. É necessário levar remédios, vacinas, médicos por todo o território”, destaca José Eduardo Brandão, diretor geral da Synerjet.

No Brasil a aviação geral e de negócios é composta por mais de 15.000 aeronaves distribuídas por todo o país, representando a segunda maior frota do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Atualmente o setor voa para mais de mil localidades de forma direta, sendo extremamente importante na ligação do país, especialmente por atender áreas remotas onde usualmente nem a aviação comercial opera. O objetivo da Synerjet é aglutinar operadores da aviação geral e de negócios em complemento aos esforços da Força Aérea Brasileira no transporte de cargas, pessoal e equipamentos.

Proprietários e operadores de helicópteros e aviões podem ajudar

Alguns destinos não possuem nem mesmo ligação viária, sendo restrita a deslocamentos com barcos, que dependem do fluxo dos rios e podem demorar até uma semana em um deslocamento que por via aérea dura menos de três horas. O tempo continua sendo o maior desafio para o combate da pandemia, e com fechamento de fronteiras estaduais e internacionais a aviação continua sendo o meio mais rápido e eficaz de colaborar com esses esforços.

“A aviação geral possui capilaridade, permitindo levar testes [para detecção do SARS-Cov2], equipamentos para hospitais em diversas regiões do Brasil. Até mesmo doentes em estado mais crítico deverão ser transportados para centros hospitalares”, ressalta Brandão, diretor geral da Synerjet.

De acordo com o executivo a aviação geral e executiva já seguem os cuidados estabelecidos quanto à esterilização de seu ambiente de trabalho e equipamentos, além de contribuir para evitar a aglomeração de pessoas, pois se realizam por meio de aeroportos secundários e heliportos, exigindo um número menor de pessoas envolvidas na operação.

A participação da aviação geral ainda desponta a importância do Campo de Marte para o Brasil e especialmente São Paulo. Sendo um aeroporto restrito a operações de aeronaves de negócios, o terminal paulista possui grande facilidade na movimentação de pessoas e cargas, além de permitir a instalação de uma força tarefa, especialmente hospitais de campanha, para agir em casos de crise.

O convite da Synerjet já despertou interesse de diversos proprietários do setor. Um executivo que possui avião e helicóptero colocou sua frota a disposição para auxiliar o Brasil no combate ao coronavírus. Todavia, a Synerjet destaca que não deseja ser a coordenadora da missão, mas que deseja chamar atenção do setor para a necessidade de enfrentarem juntos a maior crise de saúde pública pela qual passa o país.

Os interessados em ajudar devem preencher o formulário disponível aqui

Da redação

Publicado em 26 de Março de 2020 às 17:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião aviação negócios jatinho covid-19 coronavírus