Made in China

Aerolíneas Argentinas volta a operar e realiza viagem para a China

Empresa ensaia retomada e realiza novos voos humanitários para buscar insumos de combate ao coronavírus


Serão seis voos especiais para a China, onde a empresa planeja transportar mais de 140 toneladas de suprimentos

Após ficar mais de 180 dias sem operar nenhuma rota internacional, a Aerolíneas Argentinas realizou seu primeiro voo além das fronteiras do país, viajando até a província chinesa de Guangzhou. A operação especial teve objetivo de buscar insumos médicos para o enfrentamento da pandemia do coronavírus na Argentina. Nas últimas semanas país vem registrando aumento no número de casos e registra mais de 35.000 mortes. 

Um Airbus A330 da Aerolíneas decolou de Buenos Aires – Ezeiza no dia 2 de novembro, voando até a China, onde buscou uma série de itens médicos e de segurança sanitária. Serão ao todo seis operações, que se estendem até o próximo dia 20 de novembro.

A Aerolíneas optou por realizar uma circunavegação, partindo da Argentina com destino a Espanha, com uma escala técnica em Madrid, ante de prosseguir para a China. O retorno ocorre via Auckland, Nova Zelândia, retornando assim para Buenos Aires.

“Esta operação nos permitirá transportar mais de 24 toneladas de carga em cada um dos seis voos que a empresa programou para novembro e que serão realizados com aeronaves A330 configurados especialmente como cargueiros para a operação com destino à China”, comunicou a empresa aérea.

Em seus 70 anos de história a Aerolíneas Argentinas nunca tinha voado até China, marca que foi quebrada em abril de 2020, quando realizou diversos voos fretados pelo ministério da saúde da Argentina para trazer materiais médicos como ventiladores, reagentes, máscaras faciais, luvas e ventiladores para conter a crise sanitária no país sul-americano.

  • Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Gabriel Benevides

Publicado em 10 de Novembro de 2020 às 12:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião Airbus A330 Aerolíneas Argentina China pandemia Guangzhou covid-19