Tensão espacial

Teste de míssil antissatélite russo causa tensão no espaço e acusações na Terra

EUA dizem que a Rússia de colocou tripulação da estação espacial em risco


Estação Espacial Internacional

Teste de míssil comprometeu a segurança da Estação Espacial Internacional | Foto: Roscosmos

A Rússia testou um míssil antissatélite de ascensão direta (DA-ASAT, na sigla em inglês) na última segunda-feira, tendo como alvo o satélite russo COSMOS 1408, lançado em 1982 e que estava inoperante há vários anos. O ensaio foi considerado um sucesso, com a destruição do satélite. Porém, o impacto criou um campo de detritos em órbita, considerado potencialmente perigoso para a Estação Espacial Internacional (ISS).

A "nuvem"de destritos colocou a tripulação da ISS em alerta, incluindo cosmonautas russos, que tiveram de ir emergencialmente para as naves Soyus e Dragon, usadas também como veículos para evacuação rápida. Caso fosse necessário, as cápsulas retornariam à Terra imediatamente.

As agências espaciais após avaliarem a rota dos detritos e verificaram que já havia segurança, autorizou os tripulantes voltarem para a ISS.

Foram detectados 1.500 fragmentos do satélite destruídom que devem vagar, ao lado de outros milhares outros partes de foguetes e satélites, ao redor do planeta por anos. Verificações da trajetória dos detritos continuará sendo feita, afim de garantir uma maior segurança dos objetos em orbita.

O teste russo provocou uma reação internacional, inclusive dos Estados Unidos que emitiu um comunicado oficial questionando as ações do parceiro na ISS, mas rival em questões políticas nos últimos anos. “[A Rússia] demonstrou um desrespeito deliberado pela segurança, proteção, estabilidade e sustentabilidade de longo prazo do domínio espacial para todas as nações”, disse James Dickinson, general do exército e comandante do Comando Espacial dos EUA.

Ainda sobre a reação dos Estados Unidos, o diretor da Nasa, Bill Nelson, disse que “está indignado com esta ação inescrupulosa. Com sua longa e célebre história em voos espaciais humanos, é impensável que a Rússia coloque em risco não apenas os astronautas americanos e internacionais parceiros da ISS, mas também seus próprios cosmonautas.

Imediatamente o governo russo respondeu as alegações dos Estados Unidos, afirmando que Washington deveria abrir um canal de comunicação antes de acusar outras nações. “Preferiríamos que os Estados Unidos se sentassem finalmente à mesa de negociações, em vez de fazer acusações infundadas, e discutir suas preocupações em relação ao tratado, que Rússia e China estão propondo para evitar essa corrida armamentista e que os Estados Unidos não podem aceitar. Seria muito interessante para nós ouvir uma posição específica e fundamentada e não pretextos. Estamos prontos para isso”, disse Sergey Lavrov,  ministro das Relações Exteriores.

Em outro comunicado por parte dos russo, o Ministério da Defesa disse que "vê as alegaçoes dos Estados Unidos como hipócritas" e que a há anos tentam fazer com que a Washington e outros países assinem um tratato que impede o lançamento de armas no espaço.

Atualmente a ISS conta com sete pessoas, sendo três norte-americanos, um alemã e dois russos. A estação está a uma altitude de 430km voajando a uma velocidade de aproximadamente 27.000 km/h ao redor do Planeta.

  • Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Por André Magalhães

Publicado em 16 de Novembro de 2021 às 12:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação rússia eua espaço míssil estação espacial ISS