Efeito pandemia

Transporte aéreo regular manteve tendência negativa em fevereiro

Em comparação com 2019 a redução chegou próxima dos 90% em algumas regiões do mundo


Aeroporto de Dubai

Aviação regular está longe de atingir níveis pré-pandemia

O número de passageiros transportado entre janeiro e fevereiro de 2021 apresentou o pior resultado desde 2019, quando a aviação registrava movimento de ascensão. A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), mostrou que o total de viagens nos dois primeiros meses do ano caiu quase 75% em fevereiro, quando comparado ao mesmo mês de 2019.

O desempenho foi pior que o registrado em janeiro, quando a queda foi de pouco mais de 72%, em relação a janeiro de 2019. Quando se trata apenas da demanda internacional de passageiros, a redução é de quase 89%.

Na média global os voos domésticos apresentaram pouco mais da metade em fevereiro, comparado aos níveis pré-covid, com taxa de 51%. Segundo a Iata, a explicação está no enfraquecimento das viagens no Ano Novo Lunar chinês, devido à pandemia.

Tradicionalmente o feriado na China é um dos motores do tráfego aéreo doméstico, que auxilia uma média mundial elevada. Já por região, a América Latina e Carive encerrou o mês com quedas significativas na demanda e a capacidade dem comparação com 2019, com redução de 83,5% e 75,4%, respectivamente.

“Fevereiro não mostrou sinal de recuperação na demanda por viagens aéreas internacionais, com exceção da Austrália, onde o relaxamento das restrições nos voos domésticos resultou em aumento significativo no número de viagens”, disse Willie Walsh, diretor geral da Iata.

A Austrália, que realizou um dos mais restritivos lockdown no mundo, com severas regras de circulação, obteve uma melhora gradual do tráfego aéreo, ainda que longe dos números pré-pandemia. O tráfego doméstico de passageiros caiu 60,5% em fevereiro em relação a fevereiro de 2019, mas ainda assim uma melhoria significativa em comparação com a queda de 77,3% registrada em janeiro versus janeiro de 2019. Com a reabertura do turismo interno a expectativa é de melhora ao longo do ano.

Os Estados Unidos, ainda o maior mercado aéreo do mundo, teve uma redução de 56,1% no tráfego doméstico de passageiros em fevereiro em relação a fevereiro de 2019, resultado melhor que a queda de 58,4% registrada em janeiro em relação a janeiro de 2019. Segundo a Iata, a melhora foi resultado da queda nas taxas de contágio e aumento na taxa de vacinação.               

Ainda assim, a tendência da demanda de passageiros continuou negativa em fevereiro de 2021. As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram queda de 95,2% no tráfego de fevereiro de 2021 em relação a fevereiro de 2019, ante à queda de 94,8% registrada em janeiro de 2021. A região vem sofrendo com a redução de demanda pelo oitavo mês consecutivo, especialmente devido as incertezas regionais quanto a vacinação e restrições de viagens em todo bloco de países. A capacidade caiu 87,5% e a taxa de ocupação caiu 50,0 pontos percentuais, atingindo 31,1%, a menor entre as regiões.

A Europa, que tem trabalhado para conter os efeitos da pandemia, com baixo sucesso geral, apresentaram queda de 89,0% no tráfego em fevereiro de 2021 em relação a fevereiro de 2019, resultado pior que a queda de 83,4% registrada em janeiro em relação a janeiro de 2019.

A melhora dos níveis globais ainda é incerta, mantendo a previsão de uma recuperação ocorrendo de forma constante apenas em 2023.

Por Marcel Cardoso

Publicado em 13 de Abril de 2021 às 15:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Iata pandemia transporte aéreo China Austrália EUA