Efeito coronavírus

Sem ajuda do governo a United Airlines deverá demitir 2.850 pilotos

Voando com sérias restrições por cinco meses, empresa depende de auxílio para pagamento de folha que será cancelado em outubro


United Airlines poderá realizar maior corte de pilotos em toda a sua história

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

A United Airlines seguiu suas rivais e sinalizou que poderá demitir parte de seus funcionários caso a ajuda emergencial promovida pelo governo dos Estados Unidos para pagamento de salários for suspensa em outubro.

A empresa poderá colocar de licença 2.850 pilotos, sendo já no dia 1ª de outubro um total de 1.747, enquanto outros 572 seriam afastados no 30 de outubro e por fim mais 531 funcionários no dia 30 de novembro.

O governo dos Estados Unidos criou um auxílio para pagamento de salários para o setor aéreo, visando evitar demissões em massa após a quase paralisação completa do transporte aéreo no mundo. O acordo tem validade até o próximo dia 30 de setembro e o governo norte-americano parece pouco disposto a prolongar a ajuda.

A Delta Air Lines deverá dispensar 1.941 pilotos e a American Airlines cerca de 1.600 aviadores já no dia 1ª de outubro, visto a necessidade de conter imediatamente custos em um momento de baixa demanda por viagens aéreas.

A associação de pilotos da United Airlines questionou a posição da companhia, afirmando que será o maior corte de pilotos em toda a história. “Embora outras companhias aéreas tenham optado por reduzir a mão de obra por meio [de demissões] voluntárias, é trágico que a United tenha limitado essas opções para nossos pilotos e, em vez disso, tenha optado por dispensar mais pilotos do que nunca em nossa história”, disse o conselho executivo master da United (MEC) em um comunicado.

A organização tem trabalhado para evitar o cancelamento do auxílio, que tem mantido parte da folha de pagamento dos funcionários de praticamente todas as companhias aéreas dos Estados Unidos. “Nossos esforços contínuos no Capitólio [congresso dos Estados Unidos], e com a administração, nunca diminuíram e se tornaram mais urgentes”.

O pacote CARES, acrônimo e inglês para Lei de Ajuda, Socorro e Segurança Econômica, promovido para reduzir os efeitos da pandemia no setor de transporte aéreo regular, apoiou as empresas com um subsídio de US$ 25 bilhões, com a contrapartida da manutenção de empregos durante toda a vigência do acordo.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 31 de Agosto de 2020 às 16:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião United Airlines Estados Unidos pilotos demissão crise aérea pandemia coronavírus