Sonho virou pesadelo

Redução do valor do A380 gera pesadas perdas na Qantas Airways

Empresa australiana reporta que 2020 será um ano devastador e projeta retomada apenas em 2021


Metade das perdas não monetárias da Qantas está atrelada a forte desvalorização do valor de mercado do Airbus A380

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

A australiana Qantas Airways divulgou perdas estatutária de quase US$ 2 bilhões (R$ 11,2 bilhões) nos primeiros sete meses de 2020. O relatório divulgado no dia 20 de agosto mostra que mais da metade do valor é referente à depreciação do valor dos Airbus A380.

A empresa relatou que entre abril de 2020 ao final de junho de 2020 obteve um prejuízo estatutário de AUD 2,7 bilhões (US$ 1,96 bilhão) e uma redução 87% na receita, fechando o período com AUD 4 bilhões (US$ 2,7 bilhões).

Segundo o relatório, AUD 1,4 bilhão ($ 1 bilhão) das perdas não monetárias se deu após uma baixa de ativos, incluindo a redução do valor de mercado dos A380. A frota do Super Jumbo está paralisada, com a maioria estacionada no deserto da Califórnia, aguardando uma melhora no cenário de transporte aéreo global.

O A380 deveria ter se tornado o principal avião de longo curso da empresa australiana, substituindo completamente a frota de Boeing 747-400, mas a crise financeira de 2008, aliado ao alto custo do barril de petróleo na última década, forçou uma mudança nos planos. O gigante europeu se tornou pouco atraente em diversas rotas, muitas vezes por seu custo operacional elevado.

“Tivemos que tomar algumas decisões muito difíceis nos últimos meses para garantir nosso futuro. Pelo menos 6.000 trabalhadores deixarão o nosso negócio sem culpa própria, e outros milhares ficarão afastados por um longo tempo”, disse Alan Joyce, CEO do Grupo Qantas.

A Qantas acredita que não deverá retomar sua operação internacional antes de julho de 2021, postergando quase a totalidade das entregas de novas aeronaves e possivelmente revendo os planos de operar uma versão de ultralongo alcance do A350. Ainda assim, projeta que poderá sair fortalecida da crise, já que é atualmente a única empresa aérea da Austrália que oferece um serviço completo e uma ampla gama de tarifas dentro do Grupo Qantas, desde opção de primeira classe até serviço low cost. “Olhando mais adiante, estamos em uma boa posição para enfrentar esta tempestade e aproveitar ao máximo a recuperação”, acrescentou Joyce.

A expectativa da empresa é que a recuperação seja agitada e lenta, especialmente por força dos diversos contratempos causados ​​pela abertura e fechamento da fronteira. Atualmente existe uma série de incertezas sobre como os governos vão proceder na reabertura das fronteiras e o recebimento de viajantes estrangeiros.

A Qantas relatou um fluxo de caixa operacional de AUD 1,1 bilhão (US$ 800 milhões) e liquidez de AUD 4,5 bilhões (US$ 3,2 bilhões), o que, por ora, mantém a companhia sólida para enfrentar os próximos meses da maior crise aérea de toda a história.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 21 de Agosto de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 747 747-400 Airbus A350 A380 Qantas Austrália covid-19 pandemia voo internacional