Disputa em casa

Possível revés para o 777X envolve Emirates reduzir pedido para o modelo

Empresa árabe cogita postergar recebimento do 777-9 e converter parte da encomenda para o 787-9


O 777-9 enfrenta como concorrente de peso a jóia da casa, a família 787 Dreamliner

  • Faça parte do grupo de AERO Magazine no Telegram clicando aqui

A gigante Emirates Airline planeja receber os novos 777-9 apenas em 2022, além de poder converter parte dos pedidos para o 787 Dreamliner. Os sucessivos atrasos envolvendo o desenvolvimento do novo avião, aliado a crise do novo coronavírus e ao menor custo do combustível, podem fazer a companhia revisar seus pedidos da nova geração do 777.  

A mudança na data de recebimento do 777-9 representando atraso de um ano no cronograma atual, mas refletem a nova realidade do mercado projetada para os próximos dois anos. Para o diretor de operações da Emirates, Adel Al Redha, a companhia não acredita que vai receber nenhuma unidade do novo jato nos próximos 24 meses.

LEIA TAMBÉM

Apesar de ter feito, em 2013, um pedido firme para 150 aviões da família 777X, o que viabilizou o desenvolvimento do programa pela Boeing, uma série de atrasos e problemas no desenvolvimento atrasaram a chegada do novo avião ao mercado, o que deveria ocorrer neste ano de 2020. Problemas no desenvolvimento dos motores GE9X, além de uma falha estrutural não prevista, atrasaram consideravelmente o primeiro voo, que deveria ter ocorrido dois anos antes.

Com a crise do coronavírus, a Emirates tem agora a dura tarefa de pensar no seu plano para reestruturação de frota de longo alcance após a pandemia, a companhia aérea está considerando converter o pedido de algumas unidades do 777X em um mesmo número de 787-9 Dreamliner, com as primeiras entregas previstas para ocorrer em 2023. Atualmente, alguns dos pedidos do 787 feitos pela Emirates já são frutos de conversões da encomenda original do 777X.

Acostumada a operar somente aviões grandes de longo alcance, a Emirates agora vê o Dreamliner como o primeiro passo para a sua renovação de frota, que está voltada para aeronaves mais eficientes, ágeis e menores.

Para a Boeing, uma mudança no número de pedidos do 777X representa mais um forte revés no programa criado para substituir os bem-sucedidos 777-200ER e 777-300ER, este último sendo atualmente o avião de grande capacidade mais popular no mundo. A expectativa era que os 777-9 pudesse se beneficiar do mercado dominado pelo 777-300ER, aliado a possibilidade de substituir parte dos A380 e 747-400 em diversas empresas. A realidade mostrou que o próprio 787 e o rival A350, da Airbus, se apresentaram como aeronaves mais viáveis na maior parte dos casos.

Mesmo que isso signifique um revés no revés para o 777X, a Boeing pode ter no 787 um alívio financeiro, principalmente pelo fato do mercado estar revendo o futuro do A380, que já vinha sendo tirado de serviço antes da pandemia, mas os efeitos da crise devem acelerar a aposentadoria do super jumbo europeu, o que para o caixa Boeing ainda poderá significar um desfecho favorável. Resta saber qual será o futuro do 777X, se não corre o risco de encontrar o mesmo destino do A380 e do 747-8 Intercontinental, que além de poucos pedidos terão uma carreira curta na aviação regular.

  • Receba as notícias de AERO diretamente no Telegram clicando aqui

Por Gabriel Benevides

Publicado em 10 de Julho de 2020 às 13:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 777 777X 777-9 Seattle 787 787-9 Emirates covid-19 coronavírus Airbus A380 A350