Excesso de segurança ou de problemas?

Nova falha potencial é encontrada no projeto do 737 MAX

Proximidade na instalação dos chicotes elétricos pode levar a um curto-circuito e a incêndio


Potencial falha na fiação do 737 MAX pode levar a novo atraso no processo de recertificação do modelo

A Boeing e a FAA, a agência de aviação civil dos Estados Unidos, confirmaram no domingo (5) que avaliam um problema referente a fiação do 737 MAX. A falha pode causar um curto-circuito no avião.

O porta-voz da Boeing, Gordon Johndroe, afirmou que a fabricante identificou o problema durante o “rigoroso processo [de verificação do projeto do 737 MAX] e estamos trabalhando com a FAA para realizar a análise apropriada”. Todavia, as autoridades e a fabricante não divulgaram se o problema poderá gerar uma pane elétrica ou incêndio, nem mesmo quais sistemas e equipamentos estão envolvidos. “Seria prematuro especular se essa análise levará a alterações no projeto”, afirmou Johndroe.

LEIA TAMBÉM

Em comunicado a FAA afirmou que “está analizando as descobertas em revisão recente das modificações propostas ao Boeing 737 MAX”. A autoridade aeronáutica não confirmou quais medidas serão tomadas e se o processo deverá levar a uma modificação nos padrões internacionais de certificação.

Fontes internas consultadas por AERO Magazine afirmam que a análise ocorre na separação dos chicotes de cabos, que são instalados próximos uns aos outros. O receio dos engenheiros e das autoridades é que um eventual aquecimento ou curto-circuito possa comprometer toda a rede de cabos. O sistema é usual na aviação comercial, mas após a complexa análise do projeto do 737 MAX, a Boeing está reavaliando conceitos e buscando melhorias em todo o projeto. A informação foi também confirmada pelo jornal norte-americano The New York Times, que adicionou que uma eventual falha e curto-circuito pode resultar em um acidente, caso os pilotos não respondam ao problema adequadamente.

A expectativa é que o 737 MAX seja recertificado em meados de fevereiro, mas a FAA não descarta estender o processo até março. As autoridades norte-americanas buscam utilizar o 737 MAX como base de uma complexa reavaliação dos processos de projeto, construção e certificação de aeronaves. O retorno do modelo aos voos comerciais não deverá ocorrer antes de maio ou junho, dependendo do país.

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 6 de Janeiro de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 737 MAX 737 MAX acidente aéreo FAA