Em nome da livre concorrência

CADE deve aprovar união entre Embraer e Boeing até o final de janeiro

Fabricantes esperam concluir todo o processo até o final de março


CADE deverá aprovar em janeiro joint venture entre Embraer e Boeing

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) deverá aprovar a joint venture entre a Embraer e a Boeing até o final do mês. As duas fabricantes acreditam que o processo de união será concluído em meados de março.

LEIA TAMBÉM

A análise final do CADE ocorre após um ano da assembleia extraordinária dos acionistas da Embraer, que optaram pela união da divisão comercial com Boeing. A fabricante norte-americana assumirá o negócio, que inclusive foi rebatizado como Boeing Brasil Commercial. A aprovação do CADE é necessária em todos os processos de fusão e joint venture, visto evitar uma concentração de mercado com a nova empresa. O acordo já foi aprovado pelos órgãos reguladores dos Estados Unidos e da China esperam a aprovação da Comissão Europeia, órgão que assim como o CADE, defende a livre concorrência na União Europeia. Em novembro do ano passado a Comissão Europeia solicitou informações adicionais para analisar o caso. 

De acordo com a agência Bloomberg, a superintendência optará por uma aprovação sem restrições, já que durantes as avaliações o CADE não encontrou problemas com concorrência. Além disso, ambas as companhias têm investimentos considerados complementares.

No final de 2017, a Boeing anunciou o interesse em uma fusão da divisão comercial da Embraer com seus negócios, com objetivo de ampliar seu portfólio no segmento de aeronaves de corredor único.

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Por Gabriel Benevides

Publicado em 2 de Janeiro de 2020 às 16:00


Notícias notícia de aviação aeronave helicóptero avião Boeing Embraer CADE fusão joint venture União Europeia China