Sexta-Feira 13

Pássaros atingem Antonov An-124 e causam severos danos ao avião

Aeronave sofreu avaria no motor e na fuselagem, além da quebra do trem de pouso após sair da pista


Antonov An-124 parou fora da pista após pouso de emergência

Após o pouso o An-124 varou a pista e sofreu ainda o colapso do conjunto de trem de pouso dianteiro

Um Antonov An-124, considerado o maior avião cargueiro produzido em série, sofreu uma falha grave no motor, realizou um pouso de emergência no aeroporto de Novosibirsk, na Rússia e parou fora da pista. Os catorze tripulantes não sofreram nenhum ferimento e puderam evacuar a aeronave de forma segura.

O An-124 havia decolado da cidade siberiana, quando houve um despalhetamento do motor, com consequente colapso do conjunto mecânico. A destruição do propulsor gerou ainda avarias graves na fuselagem, devido ao impacto de alguns componentes do motor. As primeiras informações das autoridades russas apontam que um bando de aves atingiu o avião, causando a perda de potência de dois motores, com um deles sendo destruído.

Logo após o pouso a aeronave ultrapassou o final da pista, parando em uma área gramada. Com o impacto o robusto trem de pouso dianteiro não suportou a carga gerada, entrando em colapso e fazendo o avião bater o nariz no solo.

Detalhe dos danos estruturais no An-124 após falha em um dos motores

Fragmento das palhetas do motor do Antonov An-124

Segundo a Volga-Dnper que operava o avião, o An-124 (matrícula RA-82042) havia partido da Coréia do Sul, com destino a Áustria. A escala técnica em Novosibirsk havia ocorrido durante a noite, onde a aeronave foi reabastecida e preparada para a etapa final da viagem.

"O avião operava um vôo charter de Seul para Viena, com escala técnica em Novosibirsk, com 84 toneladas de peças automotivas", informou Igor Aksenov, diretor geral da Volga-Dnepr Airlines.

O An-124 decolou ao meio-dia (horário local) e ao atingir aproximadamente 1.800 pés (540 metros) os pilotos perceberam uma falha em um dos motores, mas sua destruição completa, somado aos danos causados pelos componentes que foram arremessados contra asa e fuselagem, levaram ainda a perda do sistema de comunicações e do transponder.

Ainda que com avarias consideradas graves o avião pode voar normalmente, retornando com segurança para o aeroporto. Porém, o gigante da Antonov não conseguiu parar nos limites da pista e acabou em uma área gramada. Segundo apurou a AERO Magazine, a perda do motor #2 pode ter ocasionado ainda uma falha no sistema hidráulico, que inutilizou ou limitou a atuação dos freios. Além disso, por estar com peso máximo de decolagem no momento do pouso a aeronave pode ter sofrido com limitações operacionais.

A Volga-Dnper está trabalhando com as autoridades para esclarecer as causas do acidente, assim como atender aos tripulantes envolvidos. "Após o pouso de emergência, todos os membros da tripulação foram examinados por pessoal médico e o mais importante, nenhum ficou ferido. No momento estamos cooperando com as autoridades da aviação e do aeroporto de Novosibirsk no que diz respeito a este evento e iremos analisar a situação em conformidade", destacou Aksenov.

Detalhe dos danos estruturais no An-124 após falha em um dos motores

Propulsor severamente danificado e avarias na fuselagem causadas pelo impacto de componentes do motor

Informações iniciais afirmam que aves se colidiram com o An-124 durante a decolagem

Observe danos nas asa causado pelo despalhetamento do motor e o consequente colapso do conjunto

Detalhe dos danos estruturais no An-124 após falha em um dos motores

Antonov An-124 parou fora da pista após pouso de emergência

Saiba mais...

O An-124 foi projetado pela Antonov no final da década de 1970 visando atender aos requisitos da então força aérea da União Soviética. Entre as missões estava o transporte de conjuntos completos de lançadores de misseis nucleares, ampliando a capacidade de mobilização rápida do arsenal atômico. O primeiro voo do modelo ocorreu no dia 24 de dezembro de 1982, com a campanha de ensaios se estendendo por quatro anos.

Criado em um período de falência do Estado soviético, o modelo obteve poucos pedidos firmes dos militares, com a força aérea recebendo apenas 26 aviões. Outras 29 unidades foram construídas até 2004 para empresas aéreas especializadas em transportes de cargas de grande volume ou peso.

Ainda que apenas 55 aviões tenham sido construídos o modelo se destacou no segmento civil por sua versatilidade. A carga útil disponível é de aproximadamente 150.000 quilos, ante as 134 toneladas do Boeing 747-8F, mas capacidade de transportar cargas com grandes volumes somado a existencia de uma porta no nariz e outra na cauda, tornou o modelo ideal para logística especial. Mesmo sendo raramente utilizado para transporte de passageiros o An-124 pode ser configurado para transporte de tropas, podendo levar até 350 militares equipados. No piso superior, atrás do cockpit, existe uma área livre capaz de acomodar até 88 passageiros, além de suprimentos para atender o próprio avião.

Perto de completar 38 anos do primeiro voo, o An-124 sofreu seis acidentes, sendo cinco deles graves. A maior tragédia envolvendo o gigante ocorreu em dezembro de 1997, quando um An-124 da força aérea da Rússia caiu em uma área residencial em Irkutsk, próximo da divisa com a Mongólia, matando todos as 23 pessoas a bordo e outras 49 que estavam em solo.

* Texto atualizado às 16h18 do dia 13 de novembro de 2020

  • Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 13 de Novembro de 2020 às 09:10


Notícias notícias de aviação aeronave avião Boeing 747 747-8F Antonov Volga-Dnper An-124 acidente despalhetamento motor de avião Rússia