Vencendo a turbulência

Embraer encerrou o terceiro trimestre com US$ 15,1 bilhões em pedidos firmes

Aviação de negócios liderou o período com 21 aeronaves entregues, ante apenas sete da aviação comercial


Entregas da Embraer na aviação comercial foram afetadas pela pandemia de covid-19 ao redor do mundo

A Embraer encerrou o terceiro trimestre do ano com uma sua carteira de pedidos firmes (backlog) de US$ 15,1 bilhões e entregou sete aeronaves comerciais e 21 aviões de negócios (19 jatos leves e dois grandes).

O resultado nas entregas da aviação comercial reflete os impactos da pandemia no setor de transporte regular, ao mesmo tempo que demonstra ainda a força do segmento executivo. Com o cancelamento maciço de voos comerciais e as incertezas quanto as questões de biossegurança, a aviação de negócios se destacou por ser uma opção segura de viagens e que mantém sua operação mesmo em tempos de crise.

Excluindo-se os itens especiais, o resultado operacional (EBIT) e o resultado operacional acrescido da depreciação e amortização (EBITDA) ajustados foram de R$ 239,5 milhões e R$ 40,7) milhões, respectivamente, levando a margens de -5,9% e -1,0%. O resultado foi impactado pela redução nas entregas da aviação comercial e alterações nos contratos promovidos por empresas aéreas durante o auge da pandemia.

Embraer Praetor 500

Aviação executiva da Embraer se destacou no número de entregas no terceiro trimestre de 2020

Ainda assim, os resultados do terceiro trimestre impacto positivo de R$ 41,7 milhões graças aos itens especiais, assim dividido: R$ 292,5 milhões de despesas com reestruturação relacionadas ao ajuste da força de trabalho ocorrido na Embraer; R$ 68,9milhões de provisão adicional para perdas de crédito esperadas durante a pandemia; R$ 317,2 milhões de reversão de deterioração (impairment) na aviação comercial, que impactou positivamente os resultados e; R$ 85,9 milhões de reversão de impairment na aviação executiva, que também impactou positivamente os resultados do trimestre.

No período a Embraer apresentou prejuízo líquido ajustado (excluindo-se impostos diferidos e itens especiais) de R$ 797,5 milhões e prejuízo por ação ajustado de R$ 1,08. Com uso livre de caixa ajustado de R$ 3.03 bilhões, ainda afetado por aumentos de capital de giro, especialmente atrelados aos estoques mais altos na aviação comercial.

O relatório da Embraer aponta que a liquidez permaneceu sólida e fechou com um caixa de R$ 12,3 bilhões, acima dos R$ 10,9 bilhões do trimestre anterior, apesar do fluxo de caixa livre negativo no terceiro trimestre. Um dos destaques foi a emissão de US$ 750 milhões em títulos com vencimento em 2028, dos quais US$ 250 milhões foram destinados para pagar antecipadamente parcelas de títulos com vencimento entre 2022 e 2023. O restante, US$ 500 milhões, foram adicionados em liquidez. A gestão de passivos da Embraer durante o terceiro trimestre resultou no aumento do prazo médio do endividamento de 3,8 anos para 4,5 anos

A Embraer ainda destacou que as incerteza relacionadas à pandemia da covid-19, levaram a suspensão das estimativas financeiras e de entregas para 2020.

  • Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 11 de Novembro de 2020 às 10:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião Embraer E-Jet E2 aviação de negócios Praetor Phenom jatinho covid-19 pandemia fábrica avião