Dassault Falcon Jet


DASSAULT GROUP

ÁREAS DE ATUAÇÃO

Aeroespacial, Defesa e Sistemas

SEDE

Paris, França

SUBSIDIÁRIAS

Dassault Aviation

Dassault Falcon Jet

Dassault Falcon Service

Sogitec

SABCA

SABCA Limburg

Lummen

Dassault Systèmes

Société de Véhicules Electriques (SVE)

Le Figaro

Immobiliere Dassault

Artcurial

Château Dassault (vinhos)

 

A Dassault Aviation tem sua origem no entregue Guerras, quando em 1929, Marcel Bloch fundou sua primeira empresa aeronáutica, que surgia dentro de um sonho pouco provável de criar uma grande indústria aeronáutica na França, que sofria os efeitos da Primeira Guerra e a instabilidade da crise econômica que assolou o mundo naquele ano.

PERSEGUIÇÃO AOS JUDEUS E CONSOLIDAÇÃO DA INDÚSTRIA FRANCESA

MB200 foi um dos primeiros aviões projetoados por Marcel Bloch, ainda na década de 1930

A Dassault foi fundada pelo engenheiro judeu Marcel Bloch, sendo inicialmente registrada como Société des Avions Marcel Bloch. Seis anos depois, ainda sem imaginar que seria invadida em pouco tempo, a França tomou a iniciativa de salvar sua indústria aeronáutica do colapso. Na ocasião uma infinidade de pequenos fabricantes rivalizava entre si com projetos civis e militares pouco viáveis. A situação levou a situação pré-falimentar da maioria das empresas, forçando o governo francês, seguindo uma tendência na época, nacionalizar todas as empresas sob uma única estrutura. Surgiu assim a Société Nationale de Constructions Aéronautiques du Sud Ouest (SNCASO). Por sua influência política e conhecimento técnico, Marcel Bloch foi nomeado Ministro do Ar, onde permaneceu até a eclosão da Segunda Guerra. Com ocupação da França pelo Eixo a indústria aeronáutica do país foi praticamente dissolvida e Marcel Bloch foi preso e enviado para o campo de concentração de Buchenwald, onde permaneceu até abril de 1945. Com a perseguição aos judeus, Marcel Bloch mudou seu nome para Marcel Dassault, tentando minimizar o impacto de sua origem a sua própria vida.

SURGE A AVIONS DASSAULT 

MD 315 Flamant se tornou um sucesso e foi um dos primeiros aviões da então Avions Marcel Dassault

Com o fim da Guerra a indústria francesa foi reestruturada nos moldes do pré-Guerra, com a criação de novos fabricantes independentes. Ainda que em menor número, a maioria dos fabricantes rivalizavam entre si, inclusive a nova empresa de Marcel Dassault, batizada inicialmente como Avions Marcel Dassault.

Curiosamente, ainda durante a ocupação alemã, Dassault desenvolveu diversos modelos de aviões, entre eles a base do MD 315 Flamant, um pequeno bimotor de ligação. Em 1947, menos de 18 meses após o final da Guerra na Europa, foi construída uma grande planta fabril em Mérignac, próxima a Bordeaux, para atender demanda pelo Flamant.

DESBRAVANDO A AVIAÇÃO MILITAR

MD 450 se tornou o primeiro caça a jato francês ainda na década de 1940

Coube a Dassault desbravar com sucesso o motor a jato, ao criar, em 1949, o primeiro caça a jato francês o MD 450 Ouragan. O modelo foi o primeiro a obter sucesso comercial internacional, ao ser exportado para diversos países aliados. A participação do setor militar na Dassault seria estratégico para a França, que se tornou um dos maiores exportadores de aviões de caça na Guerra Fria. Anos mais tarde, os engenheiros aproveitaram parte da estrutura do Ouragan, instalando novas asas com enflechamento de 30° e dando origem ao Mystère I.

Após uma série de melhorias, incluindo o desenvolvimento de novos conceitos aerodinâmicos, apenas dois anos depois voou o o Mystère II, o primeiro avião supersônico francês. Três anos depois surge o MD550 Mystère Delta, posteriormente designado como Mirage I, que foi concebido como um caça de grande altitude e velocidade. Uma série de melhorias ao longo do programa levou a versão final do novo caça, agora designado Mirage III, que se tornou uma lenda. A família Mirage logo se torna uma das mais bem-sucedidas na aviação militar, obtendo centenas de vendas e elevados índices de confiabilidade em combate. O Mirage IV, um dos maiores caças bombardeiros da história, se torna o vetor nuclear francês.

Mirage III (abaixo) foi um dos caças supersônicos de maior sucesso comercial e em combate da história. A França empregou o Mirage IV (acima) como seu principal vetor de ataque nuclear

FALCON JET

Falcon 20 foi um dos aviões de negócios pioneiros no mundo

A década de 1960 assistia a corrida espacial e viu o surgimento de outra lenda francesa, o Falcon. Construído a partir do protótipo do Mystère 20, o modelo foi um dos pioneiros na aviação de negócios, sendo concebido como um avião de cabine larga para o transporte executivo de médio curso. O avião se mostrou tão impressionante que, em 1963, o aviador norte-americano Charles Lindbergh, mundialmente famoso por ter sido o primeiro a cruzar o Atlântico sem escalas, recomendou a Pan American World Airways a compra do Falcon 20 para completar sua unidade de negócios especiais.

Rara imagem do Falcon 20 nas cores da Pan American

A Pan American adquiriu 40 unidades do novo avião, para a Business Jets Division, sua divisão de transporte VIP que voava para grandes corporações, estrelas do cinema e empresários que necessitavam chegar a destinos não atendidos pela vasta malha da empresa.

O sucesso da operação levou a Pan Am e a Dassault se unirem para criar a Falcon Jet Corporation, que seria responsável pelo desenvolvimento de aeronaves destinadas a aviação de negócios. A empresa hoje controlada integralmente pela Dassault se tornou um dos mais rentáveis negócios do grupo, sendo considerado uma das referências no segmento.

Mercure foi uma tentativa frustrada de ingressar na aviação comercial na década de 1970

Com a expansão da aviação comercial de curto e médio alcance, a Dassault criou o Mercure, um jato bimotor com capacidade para até 160 passageiros, em classe única, para rivalizar com os promissores Sud Caravelle, Douglas DC-9 e Boeing 737, que dominavam os céus do mundo. O primeiro voo ocorreu em 1971, com a primeira entrega ocorrendo três anos depois. Todavia, embora contasse com elevada tecnologia embarcada, o avião não obteve o sucesso esperado, sendo operado por uma única empresa aérea, com total de 12 aviões produzidos.

Se na aviação comercial o Mercure decepcionou, o mesmo não pode ser dito do software CATIA (Computer Aided Three-dimensional Interactive Application), amplamente utilizado na industria para projetar aviões, carros, edifícios, entre outros. O sistema foi completamente desenvolvido pelos engenheiros da Dassault e hoje é um dos principais negócios do grupo, com o sistema sendo referência em engenheira em todo o mundo.

Outro grande projeto tecnológico da Dasssault é o caça Rafale, que criou inúmeras soluções tecnológicas hoje empregadas na família Falcon. Na última década a Dassault Falcon recebeu novos membros, como o Falcon 7X, que absorveu uma série de tecnologias de ponta do Rafale, seguido do Falcon 8X. Recentemente, durante o desenvolvimento do Falcon 5X, uma série de problemas com o fornecimento do motor levou ao cancelamento do programa. O fato inédito na história do fabricante foi absorvido como um aprendizado, e o revés de tornou a base para o programa Falcon 6X, que aprimorou o projeto anterior.

Falcon 6X possibilita voar do Brasil a Europa sem escalas

Atualmente o Groupe Dassault é um dos principais símbolos tecnológicos da França e da própria Europa, sendo um dos maiores fornecedores de tecnologia aeroespacial da atualidade. Ao contrário do que ocorre constantemente na indústria aeroespacial e militar da Europa, onde fabricantes continuam se fundido em grandes consórcios, a Dassault mantém sua completa independência em relação a qualquer conglomerado aeronáutico europeu.

Linha civil da Dassault Aviation nos anos 1970, com destaque para família Falcon e o Mercure

Da redação

Publicado em 1 de Fevereiro de 2019 às 08:00


Aviação Executiva Dassault Falcon Dassault Falcon