AERO Magazine

Parece mentira

Um peixe colidiu em pleno ar com um avião comercial

Na semana Santa o peixe é a dieta regular para muitos religiosos e no 1º de abril foi uma história real

Por: Edmundo Ubiratan | Imagem: Divulgação em 19 de Abril de 2019 às 17:50

A semana Santa é famosa entre religiosos pela restrição a carne vermelha, com adoção de uma alimentação baseada em peixes. Mas, em abril de 1987, os principais jornais dos Estados Unidos noticiaram a colisão de um voo da Alaska Airlines com um salmão. Por coincidência, era primeiro de abril e tradicionalmente, a imprensa dos Estados Unidos publica piadas no famoso “Dia da Mentira”, em geral, com notícias absurdas e fantasiosas. Naquele ano, porém, a informação era verdadeira.

LEIA TAMBÉM

China desenvolve motor para aeronave furtiva

Maior avião comercial brasileiro recebe certificação tripla

Mercado de aeronaves usadas apresenta nível positivo de crescimento no Brasil

No dia 30 de março, o voo 61 decolou de Seattle, WA, com destino a Anchorage, com escalas em Juneau, Yakutat e Cordova. A única alteração na rotina era a presença de um inspetor da FAA (Federal Aviation Administration), que deveria checar a tripulação em rota até o destino final. Ainda assim, nada incomum.

Eis que, na segunda perna do voo, após a decolagem, durante uma curva à esquerda, para evitar as montanhas a oeste, mantendo uma razão de subida constante, os tripulantes avistaram uma grande águia se aproximando pela esquerda, num rumo que coincidia com o da aeronave. Os pilotos perceberam que passariam sob a ave se o animal prosseguisse em sua rota de voo, mas, em caso contrário, o choque seria inevitável e os danos na aeronave não seriam dos menores. Talvez a águia tenha tido a mesma percepção, considerando que aquele enorme predador branco representava uma séria ameaça à sua vida. Numa ação rápida, o pássaro mergulhou em curva para o sul, largando a presa que trazia em suas garras. Naquele instante, os pilotos e o checador da FAA assistiram em câmera lenta ao inacreditável: um peixe “voava” em direção ao 737.

O salmão atingiu a aeronave pouco atrás da última janela esquerda do cockpit. O barulho seco do impacto foi seguido de um breve momento de silêncio e um frenético scan flow dos instrumentos para verificar a integridade dos sistemas. Após a confirmação de que o avião continuava voando normalmente, os pilotos se perguntavam: “Realmente batemos no que achamos que batemos?”.

Diante do fish strike, a tripulação chamou o despacho da empresa em Juneau e, apesar das circunstâncias, obteve aprovação para levar o Boeing pelo menos até a etapa seguinte. Seria necessária apenas uma inspeção no solo.

Como Yakutat fica numa das regiões mais remotas do Alasca, a empresa teve de enviar um mecânico até lá num pequeno avião. Evidentemente, a notícia chegou ao aeroporto antes das aeronaves e, enquanto o 737 taxiava, uma pequena multidão se aglomerava para ver o avião que havia colidido em voo com um peixe.

Muitos tiveram a certeza de que essa era a desculpa mais absurda para justificar algum problema no avião. Ainda assim, o mecânico descartou qualquer grave dano, sendo que a única avaria no Boeing era um amassado abaixo da janela do cockpit. Já o salmão se resumiu a um risco de sangue e algumas escamas na fuselagem.

Muitos acreditam que o “Salmon Thirty Salmon” (acima) é uma homenagem a essa estranha história. Todavia a Alaska Airlines garante que a pintura é uma homenagem ao Alasca e sua indústria pesqueira, o setor que é um dos maiores clientes da companhia aérea. O nome é um trocadilho com 737, uma brincadeira com a pronúncia de salmon no inglês americano [samn], similar à pronuncia do número 7 [sevn].

UM PEIXE NA ADMINISTRAÇÃO DE OCEANOS E ATMOSFERA

Outro caso parecido ocorreu em 2014, quando um Gulfstream GIV do NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration) colidiu com um peixe, também alijado por um pássaro, durante a corrida de decolagem na base aérea de MacDill, na Flórida. A tripulação do GIV ouviu um baque durante a corrida e abortou a decolagem, presumindo que tivessem atingido um pássaro. Após retornarem para o pátio para uma inspeção externa, os tripulantes encontraram um peixe prateado com faixas pretas nas laterais incrustrado na raiz da asa.

 

O dano se resumiu num amassado no bordo de ataque da asa. O peixe foi enviado para o Smithsonian Feather Identification Laboratory em Washington, D,C, para análises. 

 


Notícias


SUN 'N FUN

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 64,80R$ 64,80
Desconto
EconomizaR$ 151,20R$ 151,20
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também 4 Pôsteres PORTA COPOS

Boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas