Todos os olhos na Amazônia

FAB passa utilizar dois aviões no combate ao fogo na Amazônia

Aeronaves C-130 foram equipadas com sistema MAFFS e foram deslocadas para Porto Velho


C-130 da FAB em ação durante combate ao fogo na floresta amazônica 

Com o agravamento das queimadas na região amazônica, a Força Aérea Brasileira enviou para Porto Velho, Rondônia, dois C-130 Hercules equipados com sistema de combate aos focos de incêndio.

As aeronaves são operadas pelo Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1º/1º GT), atualmente sediado na Ala 11, no Rio de Janeiro. A FAB integra o esforço conjunto, coordenado pelo Ministério da Defesa, no combate aos incêndios que atingem grande parte dos estados da região norte.

LEIA TAMBÉM

Sistema pode despejar 12 mil litros de água em apenas 7 segundos em uma área de 500 metros de extensão

Os dois C-130 estão equipados com o sistema MAFFS (Modular Airborne Fire Fighting System), que inclui cinco tanques de água e dois tubos de lançamento, que se projetam pela porta traseira do avião, lançar até 12 mil litros de água.

Segundo os militares, durante o emprego do MAFFS a aeronave sobrevoa a área do incêndio a uma altura de 150 pés (46 metros) e o sistema pressurizado lança toda a carga de água em apenas sete segundos, atingindo uma linha de até 500 metros. Embora seja uma área pequena, dentro do contexto das queimadas, a atuação auxilia na contenção do avanço do incêndio. Após despejar a água, a aeronave retorna para Porto Velho, para ser reabastecida.

O uso dos C-130 em combate a incêndios florestais não é uma novidade no Brasil. Em novembro de 2015, um Hercules e um helicóptero H-34 Super Puma foram empregados em um incêndio que ocorreu na Chapada Diamantina, na Bahia. Em janeiro de 2017, o Brasil forneceu ao Chile um dos seus C-130 Hercules, que lançou mais de 500 mil litros de água na região de Bío-Bío, uma das mais afetadas. Meses depois os dois aviões foram utilizados no combate ao incêndio na Chapada dos Veadeiros, em Goiás.

O maior entrave é a disponibilidade de apenas duas aeronaves, o que dada das dimensões continentais do Brasil e dos próprios incêndios, demandam maior tempo para serem contidos.

ASSINE AERO MAGAZINE COM DESCONTO

Por Edmundo Ubiratan | Fotos: Divulgação

Publicado em 25 de Agosto de 2019 às 12:00


Notícias FAB Hercules Lockheed Martin C-130 MAFFS incêndio Amazônia floresta tropical