Antigo, lento e letal

Coréia do Norte simula ataque aéreo contra F-15K utilizando o An-2

Veterano biplano tem sido empregado em exercícios militares demonstrando eficiência e letalidade


Coréia do Norte tem utilizado o Antonov 2 em missões de ataque ao solo e lançamento de paraquedistas

As tensões na península coreana constantemente geram uma série de exercícios militares, tanto por Seul e seus aliados, quanto por Pyongyang. Recentemente a Coréia do Norte realizou um treinamento de bombardeio a bases sul-coreanas, tendo como alvo prioritário os caças F-15K.

O exercício envolveu ataques com o veterano Antonov An-2 conta alvos desenhados no chão, simulando as proporções e formato do F-15. Ao lado haviam ícones de radares e sistemas utilizados pela Coréia do Sul.

LEIA TAMBÉM

Os alvos estão dispostos na base norte-coreana de Sondok, próximo a Pyongyang, onde usualmente as forças militares da Coréia do Norte realizam exercícios de simulação de combate. Todavia, segundo as autoridades militares sul-coreanas, os alvos simulados não estavam ali em meados de 2017, quando ambos os países passaram a tratar formalmente da desnuclearização da península.

Acima imagem de satélite da base de Sondok, no destaque desenho simulam o F-15K da Coréia do Sul

O temor da Coréia do Sul e seus aliados, é que os norte-coreanos estejam avançando em táticas de combate convencionais, visando um possível confronto militar futuro. Ainda que sem meios capazes de fazer frente a uma hipotética guerra com o Sul, Pyongyang poderá utilizar sua antiquada esquadrilha de forma bastante eficiente caso consiga evitar os sistemas radares inimigos.

O An-2 foi projetado em 1947 para servir como um avião de transporte e observação para o então do Ministério Florestal soviético. O modelo é um pesado um biplano de transporte impulsionado por um enorme motor radial Shvetsov ASh-62IR de 1,010 hp, que era descrito pelos soviéticos como um trator com asas. Curiosamente o modelo era bastante obsoleto quando foi projetado, especialmente pelo uso de um motor radial de 9 cilindros e sua configuração biplana. Todavia, sua estrutura bastante resistente e seu desempenho confiável o tornaram um dos mais populares aviões da União Soviética, atuando tanto como aeronave de pulverização agrícola quando como de transporte de tropas e eventualmente de passageiros. Ainda hoje o modelo é construído pela China.

Recentemente um exercício militar envolveu o uso de dezenas de An-2 no lançamento de paraquedistas. Com capacidade de voar com velocidade inferior aos 48 nós, o modelo é ideal para lançamento de paraquedistas e para ataque ao solo. Armado com foguetes não-guiados e bombas de queda livre, o Antonov 2 caso bem empregado pode ser um pesadelo para forças inimigas, mesmo muito mais sofisticadas como as da Coréia do Sul. Por voar baixo e lento, o avião pode evitar sem grande dificuldade os sistemas radar e antiaéreos. Voando através dos vales que separam as duas Coreias, o An-2 poderia entrar impunemente no território do Sul, gerando consideráveis perdas caso obtivesse êxito em seu ataque.

A Coréia do Norte tem a quarta maior força militar convencional do mundo e vem ampliado suas capacidades nos últimos anos. Desde julho, a Coréia do Norte realizou seis testes de armas convencionais e curto alcance, ganhando tempo enquanto o líder norte-coreano Kim Jong-un negocia um acordo com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

ASSINE AERO MAGAZINE COM DESCONTO

Por Edmundo Ubiratan | Fotos: Divulgação

Publicado em 27 de Agosto de 2019 às 11:00


Notícias Antonov An-2 Coréia do Norte Coreia do Sul Donald Trump F-15 Kim Jong-un exército