Caracas!

Companhia da Venezuela aumenta frota e voará para Moscou e Teerã

Conviasa planeja adquirir três Airbus A340-500 e está em busca de pilotos habilitados no modelo


Conviasa planeja ampliar frota com novas unidades do Airbus A340

O governo da Venezuela está dando os primeiros passos para organizar a sua malha aérea, seriamente afetada pela pandemia. A aviação regular do país já vinha assistindo um processo de quase encerramento dos voos antes mesmo da crise gerada pela covid-19, com a suspensão de grande parte dos voos.

A empresa aérea de bandeira venezuelana, a estatal Conviasa, poderá receber um Airbus A340-300, ex-Avior, além de planejar o recebimento de três A34-500, a versão de ultralongo alcance do quadrimotor.

Ainda que a compra de tais aeronaves possa sofrer com eventuais sanções internacionais, o mercado de usados está favorável para quem busca modelos de grande capacidade, especialmente os A340-500, que mesmo no lançamento contou com quase nenhum interesse do mercado. Com o elevado custo operacional, atrelado a redução da demanda global, as aeronaves de quatro motores passaram a ser retiradas de serviço em todo o mundo, reduzindo consideravelmente seu custo de aquisição.

A informação dos planos de renovação da frota foi confirmada por Ramón Velásquez Araguayá, vice-ministro do transporte aéreo da Venezuela e presidente da Conviasa, que aproveitou para anunciar que a companhia passará a voar para Moscou, na Rússia, e Teerã, no Irã, em meados de dezembro. Além disso, planeja ainda ampliar sua malha aérea para destinos na China, Portugal e Itália.

A empresa também está contratando pilotos, especialmente com habilitação na família de aviões da Airbus. Atualmente a empresa possui na frota um único A340-200, que nas últimas semanas tem sido visto com frequência no aeroporto Nikola Tesla de Belgrado, na Sérvia, onde o avião realizará uma parada técnica antes de seguir até o Irã.

Antes da pandemia a Conviasa voava regularmente para uma série de destinos nas Américas, com destaque para para Cancún e Toluca, no México; Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia; Manágua, na Nicarágua; Cidade do Panamá; Havana, em Cuba; Guayaquil e Quito, destinos no Equador; e Santo Domingo, na República Dominicana.

A Venezuela tem buscado ampliar sua conectividade global, mas sofre fortes pressões internacionais devido a violações de direitos humanos e políticos. Uma eventual abertura de voos para Teerã deverá ampliar ainda mais a desconfiança de diversos países, podendo inclusive comprometer fontes de financiamento para aquisição de aeronaves, mesmo que usadas.

Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Gabriel Benevides

Publicado em 9 de Novembro de 2020 às 11:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião Airbus A340 A340-500 quadrimotor Conviasa Venezuela Moscou Russia Teerã Irã piloto