Faça você mesmo

Brasileiros aprovam uso de tecnologias para autoatendimento em aeroportos

País está entre os de maior adesão aos serviços self-service nas viagens


Nos últimos anos, os passageiros brasileiros têm vivenciado uma melhor experiência de viagem ao usarem a tecnologia de autoatendimento ao longo da viagem. Segundo pesquisa divulgada pela SITA, realizada em oito aeroportos brasileiros, que movimentam 63% de todo o tráfego de passageiros do país, os passageiros nacionais são muito positivos acerca do uso de tecnologia de autosserviço, incluindo reserva e check-in on-line e móvel. Sendo que mais da metade (51%) utiliza a modernidade quando disponível.

O estudo realizado pela empresa global de tecnologia aeroportuária aponta também que as novas tecnologias estão cada dia mais alinhadas com o desejo dos viajantes, que estão optando por usá-la em vez de interagir com outras pessoas. No Brasil, 96% dos passageiros têm, pelo menos, um dispositivo móvel, número ligeiramente acima da média global de 95%. Além de também darem pontuação alta ao uso do serviço on-line e móvel em suas vidas diárias: 6,9 de 10.

Durante o ano passado, houve um salto significativo no uso de celulares para reserva, check-in e bilhete de embarque por parte dos brasileiros. Analistas apontam que a perspectiva para o futuro é duplicar o uso dessas tecnologias móveis, com crescimentos previstos de 11% para 21% para reserva; 14% para 28% no check-in e 16% para 32% nos cartões de embarque.

“As companhias aéreas e aeroportos em todo o Brasil têm investido em tecnologia para ajudar a gerenciar um número cada vez maior de passageiros e, ao mesmo tempo, melhorar a viagem” diz Elbson Quadros, vice-presidente da SITA do Brasil.

O país se destaca globalmente pela alta proporção (41%) de passageiros cuidadosos, em comparação com a média global de 34%. Segundo obervação, eles planejam a viagem com antecedência e usam a tecnologia para realizar check-in on-line, para que possam verificar tudo antes da chegada ao aeroporto e evitar quaisquer experiências negativas.

Da redação

Publicado em 10 de Novembro de 2016 às 15:00


Notícias Aeroportos