Novos rumos

Bombardier anuncia resultados financeiros do primeiro trimestre de 2021

Empresa canadense segue em seu processo de reestruturação e obtém receitas de US$ 5,6 bilhões


Bombardier Global 7500

Global 7500 se tornou um dos pilares da reestruturação promovida pela Bombardier

A Bombardier anunciou os seus resultados financeiros referentes ao primeiro trimestre de 2021 e afirmou que a expectativa é encerrar o ano com total de entregas entre 110 e 120 aeronaves auferindo receitas de US$ 5,6 bilhões (R$ 29,2 bilhões).

O lucro bruto, ante juros, impostos, amortização e depreciação, o lucro bruto foi de US$ 123 milhões (R$ 643 milhões). Porém, a empresa apontou um prejuízo líquido de US$ 251 milhões (R$ 1,31 bilhão) nos três primeiros meses do ano.

As receitas de jatos de negócios durante o primeiro trimestre de 2021 totalizaram US$ 1,3 bilhões (R$ 6,8 bilhões), um aumento de 18% em um ano. A alta foi impulsionada pela combinação das entregas de aeronaves de cabine larga, incluindo oito Global 7500, atualmente o maior avião da família de jatos da Bombardier. As entregas totais no trimestre somaram 26 aviões, dentro das expectativas e as metas para o ano fiscal de 2021.

O uso de caixa livre no primeiro trimestre para operações continuadas totalizou US$ 405 milhões (R$ 2,1 bilhões), incluindo aproximadamente US$ 100 milhões (522 milhões) em itens não recorrentes, representando uma melhoria de US$ 357 milhões (R$ 1,8 bilhão) ano a ano.

Outro ponto importante foi a venda da sua divisão de transporte, que incluía a divisão ferroviária, concluída em 29 de janeiro de 2021. Desde a alienação da Bombardier Transportation, a empresa obteve aproximadamente US$ 2,4 bilhões (R$ 12,5 bilhões) de liquidez de caixa disponível para o pagamento de dívidas. Como resultado, a Bombardier espera reduzir os seus custos anuais e pagamento de juros em aproximadamente US$ 200 milhões (R$ 1 bilhão) em comparação com a dívida em 2020.

Ainda assim, o fabricante segue cauteloso com a recuperação econômica, em paralelo com o aumento da imunização populacional, e disse que não irá ampliar a taxa anual de produção do Global 7500 até que haja uma estabilização global.

"Apesar do choque súbito causado pela pandemia de covid-19, espera-se que a indústria da aviação de negócios cresça a longo prazo, impulsionada pela criação contínua de riqueza e introdução de novos modelos e tecnologias de aeronaves", disse a Bombardier em nota.

Com as orientações para o ano de 2021 e os objetivos até 2025, a Bombardier espera diversificar suas receitas. Um dos principais objetivos é aumentar a participação dos serviços de pós-venda para até 27% da receita e alcançar uma redução de 20% nos custos de produção do Global 7500 entre a 50ª e 100 ª entrega, além de obter US$ 400 milhões (R$ 2,08 bilhão) em economias recorrentes até 2023.

Por Gabriel Benevides e Marcel Cardoso

Publicado em 10 de Maio de 2021 às 15:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Bombardier Global 7500 Global