Qualidade

Boeing suspende novamente as entregas do 787 Dreamliner

Problemas na produção das aeronaves motivaram a paralisação


Linha de produção do 787

Boeing reportou ter encontrado problemas na qualidade de produção do 787 Dreamliner

A Boeing suspendeu novamente as entregas do 787 Dreamliner por conta de novos problemas na produção. Segundo a agência de aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) a ainda estão sendo enviadas as informações adicionais referentes as unidades e problemas pendentes.

Nesta sexta-feira (28), a Boeing informou que as entregas haviam sido suspensas temporariamente, apenas dois meses após serem retomadas. Durante cinco meses, entre dezembro de 2020 e março deste ano a Boeing interrompeu a produção do 787, por problemas técnicos e por permitir a mudança da unidade industrial de Seattle, no estado de Washington, para North Charleston, na Carolina do Sul

Recentemente uma falha de aterramento foi detectada em cerca de cem unidades do 737 MAX, que motivaram a paralisação dos voos com os aviões e a parada de novas entregas. A Boeing tem trabalhado para corrigir uma série de problemas nas linhas de produção e controle de qualidade, visando retomar a confiança em seus projetos.

“A Boeing ainda precisa mostrar que seu método de inspeção proposto atenderia às regulamentações federais de segurança. A FAA está aguardando dados adicionais da Boeing antes de determinar se a solução da empresa atende às regulamentações de segurança”, disse a FAA em comunicado. "Como a não aprovação da proposta da Boeing, a Boeing (sic) optou por interromper temporariamente as entregas para seus clientes".

De acordo com um comunicado da Boeing não haverá impacto na frota que já está em serviço nas companhias aéreas.

Porém, esta nova dificuldade pode pressionar mais ainda as finanças da Boeing, em um momento que as demandas por viagens aéreas começam a apresentar sinais de melhora, com previsão de alta nos próximos três meses nos Estados Unidos e na Europa. Com o avanço nos processos de imunização contra a covid-19, somado a aproximação da temporada de verão, mercados estratégicos devem registrar níveis recordes de viagens no comparativo com 2020.

Por Marcel Cardoso

Publicado em 1 de Junho de 2021 às 14:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Boeing 787 Dreamliner 737 737 MAX FAA