Aviação Militar

Pilotos compartilham experiência de voar o Gripen

FAB cria grupo de trabalho para repassar a doutrina aprendida na Suécia


Após voarem por cinco meses o Gripen C, os capitães Gustavo Pascotto e Ramón Fórneas retornam ao Brasil com uma nova missão. Repassar aos outros pilotos de caça a doutrina aprendida na Suécia.

Durante o período que voaram no F 7 Skaraborgs Flygflottilj, da Flygvapnet (força aérea da Suécia), os aviadores tiveram acesso a doutrina do Gripen, incluindo aulas teóricas, voo em simulador e operação real de voo, com novas metodologias de emprego e de instrução.

Entre as missões mais importantes do período estiveram dois deslocamentos para a ilha de Gotland, no extremo leste da Suécia, próximo ao Mar Báltico, área considerada estratégica para a Suécia. “Ali tivemos a oportunidade de realizar uma missão de interceptação supersônica em pleno Mar Báltico. Essa oportunidade também foi bastante importante”, acrescenta o capitão Gustavo.

O intercambio operacional nesse nível é praticamente inédito na FAB, que revê o último acesso a esse tipo de intercambio na década de 1940. “Foi um ganho operacional significativo, porque vivemos essa oportunidade junto com os pilotos suecos. A troca de experiências foi muito grande”, diz o capitão Fórneas.

Atualmente a III FAE (Terceira Força Aérea) trabalha num grupo de trabalho composto pelos dois capitães e por oficiais de doutrina da aviação de caça, com o objetivo de analisar repassar o aprendizado para os demais pilotos de caça.

O Brasil espera, em meados de 2020, ter o primeiro Gripen NG operacional.

Da redação

Publicado em 29 de Maio de 2015 às 17:00


Notícias Gripen Gripen NG FAB Suécia