Acidentes fatais

Fuzileiros navais podem suspender voos por um dia

Problemas no treinamento e idade da frota levam força a revisar procedimentos de segurança de voo


Após dois acidentes fatais do mês passado, os Fuzileiros Navais dos Estados Unidos (United States Marine Corps), analisam a possibilidade de paralisar temporariamente a operação suas aeronaves de asas fixas e rotativas para reforçar as boas práticas de voo.

A proposta prevê que pilotos e equipes de voo possam pensar num processo de reciclagem. A drástica medida ocorre após um V-22 Osprey se acidentar na costa da Austrália durante a operação de pouso no navio anfíbio USS Grey. Tres militares morreram no acidente enquanto outros 23 sofreram ferimentos diversos. 

C-130 se acidenta no Mississipi

Pouco antes, um C-130 Hercules se acidentou no Mississipi, o que levou a suspensão de voo de todos os 35 KC-130T dos fuzileiros. A medida segue a outra adotada em agosto de 2016, quando as operações com o F/A-18 Hornet foram paralisadas após uma série de acidentes. A época, os comandantes de esquadrões tiveram o prazo de uma semana para cumprir o período de paralização de suas aeronaves, que deveria durar um dia. No mês seguinte, os AV-8 Harrier sofreram a mesma restrição de voo.

 

Diversos oficiais do corpo de fuzileiros passaram a acusar a falta de investimentos e a envelhecida frota pelos acidentes. Embora sejam aeronaves com média de 30 anos de idade, o uso extensivo aproximou quase a totalidade da frota do seu limite máximo de uso, incluindo do mainframe, o que tem afetado a disponibilidade de horas de voo para treinamento e o número de aeronaves para pronto emprego.

Por Ernesto Klotzel

Publicado em 10 de Agosto de 2017 às 16:00


Notícias Fuzileiros nited States Marine Corps F/A-18 Hornet AV-8 Harrier C-130 Hercules