Mais taxas e mesma poluição

Europa cria taxas punitivas ao invés de apoiar desenvolvimento da aviação

Iata destaca que medidas atuais apenas drenam caixa e não oferecem nenhuma solução para o setor aéreo


Airbus A321 abastecido com SAF

Iata defende que taxas poderiam ser convertidas em incentivos no desenvolvimento de novas tecnologias

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) alertou sobre os riscos de usar taxas adicionais como forma de reduzir as emissões de poluentes na aviação comercial.

A critica é uma resposta a proposta da União Europeia que planeja reduzir para zero as emissões de poluentes de aeronaves até 2050. Entre as medidas está a Fit for 55 que na prática se torna uma imposição punitiva ao setor, sem apresentar uma contra proposta viável no curto prazo.

"Como uma indústria global, a aviação está comprometida com a descarbonização. Não precisamos de medidas persuasivas ou punitivas, como impostos, para incentivar mudanças”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

Uma das criticas da associação é a criação de taxas pela a União Europeia que poderia oferecer incentivos para o desenvolvimento de tecnologias e medidas para tornar viável o uso de novos combustíveis na aviação comercial.

“Na verdade, os impostos sugam dinheiro do setor que poderia apoiar investimentos na redução de emissões, como a renovação de frotas e tecnologias limpas. Para reduzir as emissões, precisamos que os governos implementem políticas construtivas que se concentrem imediatamente em incentivos à produção de SAF e na implementação do Céu Único Europeu (Single European Sky)", alertou Walsh.

A Iata elaborou uma série de sugestões mais efetivas para apoiar a descarbonização direta do transporte aéreo, destacando o uso de combustível de aviação sustentável (SAF, na sigla em inglês), que reduzem as emissões em até 80% quando comparados ao combustível de aviação tradicional.

Porém, por ora, o fornecimento insuficiente e os preços altos limitaram o uso de SAF em todo o mundo. Apenas em 2021 serão utilizados 120 milhões de litros de combustível sustentável, ante mais de 350 bilhões de litros de querosene.

Outro ponto que a Iata destaca é a existência de medidas nacionais ou regionais múltiplas e descoordenadas, que além de encarecer o uso de SAF ainda tornam pouco claras as regras existentes.

O setor apoia o Esquema de Redução e Compensação de Emissões da Aviação Internacional (Corsia, em inglês) como uma medida global para toda a aviação internacional. Aliás, a Iata afirmou em nota que ˜está extremamente preocupada” com a proposta da Comissão para que os Estados europeus deixem de implementar o Corsia em todos os voos internacionais.

Outro ponto importante, que tem sido discutido pelo setor aéreo há vários anos é a criação do Céu Único Europeu (Single European Sky) que permitirá reduzir as emissões desnecessárias da gestão fragmentada do tráfego aéreo e suas ineficiências. A criação de um espaço aéreo único poderá reduzir as emissões da aviação na Europa entre 6 a 10%. Porém, os governos nacionais continuam atrasando a implementação da iniciativa.

"A visão de curto prazo da aviação é fornecer transporte aéreo sustentável e acessível para todos os cidadãos europeus com frotas que utilizam SAF e gestão de tráfego aéreo eficiente", disse Walsh.

  • Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 15 de Julho de 2021 às 15:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Iata Saf União Europeia taxa poluição Single European Sky Fit for 55