Socorro emergencial

Estados Unidos aprovam pacote de ajuda de US$ 2 trilhões e inclui companhias aéreas

Medida emergencial prevê socorrer o setor aéreo norte-americano que enfrenta forte retração por pandemia


Auxílio ao setor aéreo de US$ 2 trilhões nos EUA impõem restrições a salários de executivos e negociações no mercado

Considerado o maior estímulo da história, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e a Casa Branca aprovaram uma importante ajuda para socorrer a indústria da aviação norte-americana, dentro do aporte de US$ 2 trilhões na economia.

A lei de ajuda e assistência econômica para a indústria do transporte aéreo foi aprovado como medida de socorro para as empresas do setor podem passar por uma grave recessão devido a pandemia do COVID-19. Nos últimos dias diversas empresas do segmento aeroespacial começaram a demitir os seus funcionários por conta da retração que o transporte aéreo está enfrentando.

LEIA TAMBÉM

Após uma semana de negociações foi aprovado, em 25 de março, um projeto que inclui US$ 25 bilhões destinados para empréstimos as companhias aéreas de transporte regular e empresas do ligadas ao setor, US$ 4 bilhões para as companhias aéreas de cargas e US$ 17 bilhões para negócios considerados ‘essenciais para manter a segurança nacional.

‘’Gostaria de agradecer aos democratas e republicanos por se unirem e colocarem a América em primeiro lugar’’ disse Trump durante a assinatura do projeto.

Além de empresas da aviação, os aeroportos também receberão aportes financeiros, que devem chegar ao total de US$ 10 bilhões, sendo US$ 100 milhões destinados aos aeroportos da aviação geral.

As companhias aéreas que recorrerem a este auxilio estarão proibição de emitir qualquer licença durante seis meses, não poderão recomprar as suas ações e ainda estão obrigadas a aplicar restrições aos salários dos seus executivos.

Enquanto as companhias aéreas estão com baixa demanda de passageiros, as operadoras de carga estão com a sua demanda bastante elevada, efeito do baixo número de voos regulares de passageiros, somado à crescente demanda do comércio online. O crescimento da carga aérea obrigou algumas companhias aéreas a realizar somente voos cargueiros com suas aeronaves de passageiros, transportando pequenos malotes junto as poltronas.

Por Gabriel Benevides

Publicado em 29 de Março de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Câmara Senado Casa Branca empresas aéreas carga aérea covid-19 coronavirus Trump