Oportunidade na crise

Entrevista com Tiago Senna, CEO da Itapemirim

Executivo comenta os principais pontos da estratégia da empresa para iniciar seus voos em plena pandemia


Airbus A320 da Itapemirim

 

Em entrevista a AERO, o presidente e CEO da ITA Transportes Aéreos, Tiago Senna, detalha os planos da empresa para o Brasil. Segundo ele, que respondeu às perguntas por e-mail, há dinheiro em caixa para manter o equilíbrio financeiro da empresa e os problemas do passado estão resolvidos  

A Itapemirim passou por um processo de recuperação judicial recentemente. Qual será a fonte de financiamento para a ITA Transportes Aéreos?

Já estamos finalizando os débitos com os credores para garantir cumprimento antecipado da nossa recuperação judicial ainda em 2021, quando o prazo seria somente em 2027. Realizamos negociação com vários fundos de investimento, mas como temos contrato de confidencialidade não podemos citar os valores e a fonte.

Por que a opção pelo Airbus A320? 

O nosso foco são os voos domésticos. Também teremos rotas internacionais ‘domésticas’ (países próximos como Argentina ou Chile), que os jatos A320 conseguem fazer. A intenção é trazer o neo (versão mais moderna e eficiente da família Airbus A320) no futuro. Aí teríamos condição de promover voos um pouco mais distantes, de explorar rotas internacionais. Mas não agora.

Como a ITA avalia os riscos de criar uma empresa aérea no cenário atual, em que o setor aéreo acumula perdas bilionárias?

Estamos seguros com a operação da ITA. São meses de bastante trabalho, seguindo todas as orientações e protocolos dos órgãos competentes do setor para o cumprimento de todos os manuais. Além disso, temos garantias de caixa e saúde financeira para o funcionamento da companhia, como já mencionei anteriormente. 

Como a empresa pretende equilibrar os custos contrariando uma tendência das empresas aéreas, que há 20 anos reduzem serviços de bordo para manter a saúde financeira?

Os voos da ITA terão duas classes, cobrando mais por poltronas com mais espaço. Do ponto de vista financeiro, calculamos e vamos operar com todos os custos equilibrados, tanto para os passageiros como para a empresa.

A ITA pretende cobrar por serviços adicionais ou o custo do serviço diferenciado estará incluso nas tarifas?

Teremos um serviço diferenciado. Nossa ideia é servir comida de fácil manuseio, mas opções mais saudáveis, não apenas snacks. Em certos voos e rotas, iremos oferecer bebidas alcoólicas como cortesia, com a proposta de um happy hour, por exemplo.

Qual a data prevista para início das operações, incluindo as primeiras rotas?

A previsão é para março de 2021 [entrevista publicada originalmente na AERO Magazine de Fevereiro de 2021] com um voo inaugural de Vitória, no Espírito Santo, até Brasília, no Distrito Federal. Inicialmente, vamos trabalhar três hubs: Guarulhos, Confins e Brasília.

Onde serão realizados o treinamento de tripulantes e a manutenção dos aviões? 

Em dezembro, iniciamos o treinamento da primeira turma do curso para comandantes e comissários de voo no Centro de Treinamento (CAE). E até fevereiro teremos mais três turmas de cursos para comandantes e comissários [não respondeu sobre o centro de manutenção].

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 13 de Abril de 2021 às 19:00


Notícias notícias de aviação aeronave avião aviação Itapemirim Tiago Senna Airbus A320